CNV

Click here to edit subtitle

Artigos da CNV:

Consciência Moral - Alteração de Consciência

view:  full / summary

Boas Obras

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on June 12, 2016 at 6:10 PM Comments comments (0)


AS BOAS OBRAS

Texto de Referência: Lucas 10:30-37


Introdução

As Escrituras têm muito a dizer sobre as boas obras. Fomos criados em Cristo Jesus para as boas obras.


“Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas”. (Efésios 2:10).


E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda boa obra; II Co 9:8

Para que possais andar de maneira digna do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus, (Cl 1:10).


As boas obras não produzem a salvação, mas a manifestam. Não são a causa, mas o efeito de uma nova vida em Cristo.

Tiago diz que a fé sem obras é morta. Ele nunca afirma que as obras podem salvar; mas sim que a fé genuína e viva sempre redundará em boas obras.

1. Obras não produzem fé; mas a fé produz obras, e as obras confirmam a fé.

2. O contraste é entre a fé sem obras e obras sem fé, e não entre fé e obras.

3. A questão crucial não é uma opção entre fé e obras; mas sim entre a fé viva (com obras) e a fé morta (sem obras).


As boas obras devem ser o resultado da salvação e não sua causa.

 Somos salvos pela fé, para as boas obras.

 Somos salvos pela fé para servir a Deus e ao próximo.


I- A Natureza das Boas Obras

Jesus Cristo testificou que as boas obras do mundo são más. (João 7:7). Ele também testificou em relação aos fariseus, dizendo que as obras que faziam eram feitas para receberem elogios dos homens. (Mateus 23:5). Lemos também, na Bíblia sobre:

 Obras mortas (Hb 9:14),

 Obras da carne (Gl 5:19)

 Obras do diabo  - 1 Jo 3:8.

Assim, precisamos discriminar ao tratar do assunto sobre as boas obras.

Uma boa obra no sentido bíblico é aquela que agrada a Deus e traz sobre quem a fez a aprovação e bênção de Deus.

Um homem pode realizar um ato que seja considerado louvável na concepção da sociedade, mas Deus pode vê-lo de outra maneira. Os homens podem recompensar algo que Deus vai censurar.


Como podemos saber se o que fazemos é bom aos olhos de Deus?


A. Boas Obras implicam em Fé a Deus

Fazer Algo Porque é Da Vontade de Deus - Acreditar no que Deus manda fazer e obedecer prontamente. (A fé de Abraão - Rm 4:3)

A resposta está em Hebreus 11:6 onde lemos que “sem fé é impossível agradar a Deus”

Uma obra de fé só é possível aos que têm fé. As obras de fé geralmente são opostas à razão humana. A única razão por trás de uma obra de fé é que Deus diz para fazê-la. E isto é tornar-se tolo aos olhos do mundo. Foi só porque Noé creu em Deus, que ele construiu a arca.

Mas, como a fé opera? Pelo o amor.

Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão vale coisa alguma; mas sim a fé que opera pelo amor (Gl 5:6).


B. Boas Obras São Movidas Pelo o Amor a Deus

Jesus Cristo disse: “Se me amais, guardai os meus mandamentos”. (João 14:15).

E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis. Mas quem fizer agravo receberá o agravo que fizer; pois não há acepção de pessoas. Colossenses 3.23-25


C. Boas Obras São Movidas pelo o Amor ao Próximo

O texto de I Coríntios, capítulo 13, enfatiza a necessidade do amor como ingrediente nas boas obras. Hb13:16


D. Boas São Para a Glória de Deus

Outro princípio que devemos avaliar para sabermos se estamos ou não praticando boas obras, são as nossas intenções.

Jesus advertiu severamente aos seus discípulos para que se guardassem de “exercer a justiça diante dos homens, como o fim de serdes vistos por eles” (Mt. 6:1) e também para que não fizéssemos nada pensando em recompensa (Mt. 6:3).

O que nos deve motivar à práticas das boas obras é nosso desejo de obedecer a Deus, que o seu nome seja glorificado (Mt. 5:16) e que seu reino seja estabelecido. “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1 Co. 10:31).


II - Os crentes devem manter as boas obras.

Fiel é esta palavra, e quero que a proclames com firmeza para que os que creem em Deus procurem aplicar-se às boas obras. Essas coisas são boas e proveitosas aos homens. Tt 3:8 .

Os ricos deste mundo devem ser ricos em boas obras, prontos a repartir seus bens com os necessitados.

Que pratiquem o bem, que se enriqueçam de boas obras, que sejam liberais e generosos ( 1 Tm 6:18.

Boas Obras são Sacrifícios Que Agradam a Deus

Mas não vos esqueçais de fazer o bem e de repartir com outros, porque com tais sacrifícios Deus se agrada. (Hb 13:16)

1. Quando praticamos boas obras demonstramos q somos povo de Deus

2. Quando praticamos boas obras refletimos a imagem do nosso Deus

3. Quando praticamos boas obras demonstramos obediência a Deus

4. Quando praticamos boas obras demonstramos amor a Deus

5. Quando praticamos boas obras demonstramos amor ao próximo


III- Prestação de Contas: Pecados & Obras

3.1 - Os Pecados do Crente e o Porvir

Os pecados do crente em Jesus Cristo foram levados pelo o Salvador, em Seu próprio corpo, na cruz.

Em relação à salvação, os pecados do crente foram colocados sobre Cristo e julgados nEle (1 Pe 2:24).

Levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que mortos para os pecados pudessem viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados.

Em relação à disciplina, os pecados do crente são tratados nesta vida. (Hebreus 12:5-11).

5 e já vos esquecestes da exortação que vos admoesta como a filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, nem te desanimes quando por ele és repreendido;

6 pois o Senhor corrige ao que ama, e açoita a todo o que recebe por filho.

7 É para disciplina que sofreis; Deus vos trata como a filhos; pois qual é o filho a quem o pai não corrija?

8 Mas, se estais sem disciplina, da qual todos se têm tornado participantes, sois então bastardos, e não filhos.

9 Além disto, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e os olhávamos com respeito; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, e viveremos?

10 Pois aqueles por pouco tempo nos corrigiam como bem lhes parecia, mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade.

11 Na verdade, nenhuma correção parece no momento ser motivo de gozo, porém de tristeza; mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos que por ele têm sido exercitados.


O crente,quando peca, é disciplinado pelo o Senhor nesta Terra para não ser condenado com o mundo.

Quando, porém, somos julgados pelo Senhor, somos corrigidos, para não sermos condenados com o mundo (1 Co 11:32).

 

3.2 - As Obras do Crente e o Porvir

Os pecados de alguns homens são manifestos antes de entrarem em juízo, enquanto os de outros são descobertos depois. Da mesma forma também as boas obras são manifestas antecipadamente; e as que não o são não podem ficar ocultas. (I Tim 5:24;25)

O crente será recompensado por suas boas obras quando Cristo vier (1 Co 3:13-15).

As obras do crente, no tribunal de Cristo, serão rejeitadas ou recompensadas.

Porque é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de Cristo, para que cada um receba o que fez por meio do corpo, segundo o que praticou, o bem ou o mal. (2 Co 5:10)


Conclusão

Vejo que o maior problema hoje não é com o crer, mas com o fazer.

É um desafio para todos nós, que enfatizamos tanto a salvação pela fé em Cristo Jesus, e constantemente nos esquecemos que nossas obras serão julgadas.

“Eu sou a videira, vós as varas: quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto..... Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.”João 15:5,8.

 


O Retorno dos Nephilins

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on June 8, 2016 at 11:30 PM Comments comments (0)


COMO NOS DIAS DE NOÉ - O RETORNO DOS NEFILINS!


 

Os Dias Pré-Dilúvio

A humanidade havia se multiplicado e de igual forma a maldade.

Uma geração distante de Deus.

A maioria das pessoas não têm conhecimento das circunstâncias peculiares que levaram ao Dilúvio, nos dias de Noé. Isto tem sido amplamente mal compreendido durante séculos.

 

O capítulo 6 de Gênesis nos dá uma revelação surpreendente.

 

Como se foram multiplicando os homens na Terra, e lhes nasceram filhas, vendo os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, tomaram para si mulheres, as que, entre todas, mais lhes agradaram…

 

Ora, naquele tempo havia gigantes (Nephilim) na Terra; e também depois, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens, as quais lhes deram filhos; estes foram heróis, homens de renome, na antiguidade. (Gênesis 6:1, 2, 4)

 

Nessa passagem, fica claro que há uma distinção entre as “filhas dos homens” de um lado, e os “filhos de Deus” do outro.

 

• Filhas dos homens”= “Benote Adam – filhas de Adão

 

• “Filhos de Deus” = Ha B’nai Elohim - um termo usado de forma consistente no Antigo Testamento para ”anjos”. (Jó 1:6; 38:7)

 

A igreja primitiva via os B’nai Elohim como anjos até o final do século IV: Justino, Atenágoras, Cipriano, Eusébio, Josephus, Philo, Judeaus e outros.


 

Os Nephilins

Desse cruzamento proibido (filhos de Deus x filhas de Adão) nasceram os “Nephilins”- (heb. naphal = cair, caído). Portanto, Nephilins significa “os caídos”.

 

Naquele tempo havia gigantes (Nephilim) na Terra; e também depois.

 

 

  • Naquele tempo - refere-se aos dias de Noé.
  • E também depois – refere-se aos dias pós dilúvio.

 

 

Também vimos ali os nefilins, isto é, os filhos de Anaque, que são descendentes dos nefilins; éramos aos nossos olhos como gafanhotos; e assim também éramos aos seus olhos. (Nm 13.33 - veja também Dt 3.11; Js 11:22).

 

Portanto, há o registro bíblico de seres híbridos antes e depois do Dilúvio.


 

O Plano de Satanás

Satanás foi tão bem sucedido em corromper a linhagem humana que apenas oito pessoas tiveram sucesso em sobreviver.

 

Quem ouviria um velho homem do campo  - Noé - pregando a justiça de Deus, no meio daquela geração de nephilins: seres poderosos, heróis, fortes, celebridades?

 

A geração de Noé a cada dia tornava-se híbrida, transhumana e perversa.

 

Gênesis 6:8-13 declara que Noé era um homem justo em sua geração e alcançou graça diante de Deus. Com certeza a linhagem de Noé não foi poluída pelo hibridismo.

 

Deus julgou aquela geração com o Dilúvio. Deus também aprisionou anjos caídos...


 

Os Dias Atuais – Os Nephilins Estão de volta

 

Um dos pontos importantes que Jesus fez a respeito de Seu segundo retorno, foi que essa ÉPOCA seria semelhante aos dias de Noé.

 

”E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem”. (Mateus 24:37)

 

Jesus deixou bem claro que no tempo de Sua segunda vinda, os dias imitariam os dias da geração de Noé. O diabo e seus anjos caídos, juntamente com os seus homólogos humanos (donos do mundo) estão usando a engenharia genética e iniciações luciferianas para reproduzirem uma geração híbrida como foi nos dias de Noé.

O Retorno dos Nephilins. “Como nos dias de Noé”. Grandes, poderosos, celebridades, propagando, patrocinando e semeando a mutação da raça humana (transhumanísmo). Seres híbridos, geração trans.

 

Transhumanistas acreditam que chegou o momento certo dos seres humanos assumirem o controle de sua própria evolução. Eles preveem um futuro em que todos humanos serão geneticamente modificados, com o objetivo de produzir uma raça melhorada, que dará início a uma nova era de ouro para o planeta.

 

 

Uma nova raça para ingresso em uma nova era, sem Deus, sem a Lei de Deus e sem o povo de Deus.

 

Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana; mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro. (Dn 2:43)


 

 

Conclusão:

A “geração trans” começou. A história se repete, a iniquidade se multiplica.

 

Um novo juízo está às portas, um “dilúvio de fogo”. (2 Pe 3:10)

 

Seja um pregador da justiça de Deus no meio de uma geração corrompida e perversa. (Fl 2:15)

 

 

 

Outros textos para estudo: 2 Ts 1:7;2:3; 2 Pedro 2:4; Judas 6. Apocalipse 9:1-2

 

 

 

 


Chamado e Trabalho

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on May 29, 2016 at 7:30 PM Comments comments (0)


Chamado e Trabalho (Vocação & Profissão)

Textos de Referência: Mateus 9:9 - Efésios 5:14-17; 6.5-7


 

Introdução

 

Vocação vem do latim vocare que significa "chamado". Antigamente este termo significava qualquer espécie de aptidão. Por exemplo: aptidão para medicina, música, artes, etc.. Depois o termo foi adquirindo um significado religioso passando a designar o chamado de Deus. Vocação sempre indica um chamado.

• Vocação no aspecto religioso - ato de ser chamado ou predestinado para determinado propósito divino. Teologicamente o estudo da vocação é chamado de Hiperetologia (do grego hypereteo = servir, ministrar, ser útil; logia = estudo, tratado).

 

• Vocação no aspecto geral - talento, jeito, queda, tendência profissional.

 

 

"Profissão" é um trabalho, atividade especializada dentro da sociedade geralmente exercida por um profissional. Algumas atividades requerem estudos extensivos e a especialização em uma área específica do conhecimento (Medicina, Engenharia, Direito, etc.). Outros trabalhos dependem de habilidades práticas que requerem apenas formação básica (ensino fundamental ou médio), como as profissões de faxineiro, ajudante, jardineiro entre outras.


 

 

I - A Escassez Vocacional

O trabalho é uma atividade necessária à sobrevivência humana. Portanto, precisamos trabalhar (2 Ts 3:10; 1 Tm 5:18). Mas, hoje em dia, quase não se fala em chamado. A maioria investe somente na realização profissional (Medicina, Direito, Engenharia, etc.) sem nenhum conhecimento ou interesse na vocação.

• Aqueles que não identificam a sua vocação

• Aqueles que trabalham pela motivação errada – Is 55:2

 

Hoje é mais comum pensarmos em termos de carreira profissional. E, para muita gente, a profissão transforma-se em altar, sobre o qual sacrificam a vida.

Será que você percebeu que a profissão tornou-se objeto de dedicação de nosso tempo, empenho, esforços, dedicação e adoração?

 

Diante de um mundo tão caótico, muitos se voltam para o trabalho, na esperança de que ele lhes proporcione sentido existencial, paz, identidade e estima.

 

Diante disso, o grande perigo não é a atividade profissional, mas substituir o chamado por uma carreira profissional e deixar de cumprir o propósito de Deus para nossas vidas.

 

• A profissão não é o propósito de nossa existência

• O chamado sim é o propósito de Deus para a nossa vida

Profissão x Vocação:

1) A profissão eu escolho; o chamado eu recebo.

 

2) Exerço uma profissão para mim mesmo; o chamado é algo que faço para Deus.

3) A profissão me promete status, dinheiro ou poder; em geral, o chamado promete dificuldades e até certo sofrimento - além da oportunidade de ser usado por Deus.

 

4) Profissão diz respeito à mobilidade ascendente; chamado costuma levar à mobilidade descendente (servir a Deus, à igreja e ao próximo).

 

5) A carreira profissional pode acabar em aposentadoria. O chamado só termina quando se morre.

 

6) As recompensas da carreira profissional são visíveis, mas temporárias. A recompensa de um chamado é eterna.

 

 

• Faraó tinha uma carreira profissional - Moisés, um chamado.

Potifar tinha uma carreira profissional - José, um chamado.

Hamã tinha uma carreira profissional - Ester, um chamado.

Acabe tinha uma carreira profissional - Elias, um chamado.

Pilatos tinha uma carreira profissional - Jesus, um chamado.


 

II – Chamado Ofuscado Pelo o Pecado

Tendo criado o homem, Deus deu tarefas para que ele cumprisse.

Gênesis 2.15 diz que “tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e guardar”. Adão, portanto, tinha uma tarefa a cumprir a qual foi dada a ele por Deus.

 

Com a queda espiritual de nossos “pais” lá no Éden a natureza humana foi terrivelmente afetada pelo o pecado. A percepção vocacional é praticamente inexistente no homem natural.

 

Sabemos que a sociedade possui necessidades variadas, que devem ser supridas pelo trabalho de todos. Por isso, cada pessoa tem um chamado específico e talentos que correspondem a esse chamado, a fim de que possa cumprir o seu papel neste mundo. Todavia, a maior necessidade do ser humano é totalmente desconhecida por ele até que seja alcançado pelo o Evangelho.

 

O maior problema da humanidade é o pecado e, uma vez que o pecado leva o pecador a juízo e condenação eterna, a maior necessidade dos humanos é de Salvação. Diante disso, Jesus chama todos os seus discípulos à pregação do Evangelho a toda criatura ( Mc 16:15-16). Esse chamado é geral e conhecido na Teologia como a “Grande Comissão”. Mas, precisamos entender onde cada discípulo se enquadra dentro deste contexto maior, ou seja, temos que discernir o tipo específico de trabalho a fazer dentro da Grande Comissão.


 

 

III - Profissão & Chamado - Caminhos Paralelos

 

O chamado divino pode está relacionado a uma profissão, mas não necessariamente. É fundamental entendermos que profissão e chamado não são necessariamente opostos ou contraditórios:

• O exercício profissional pode está ligado à vontade de Deus;

• O nosso trabalho profissional pode fazer parte na providência divina para suprir as necessidades da sociedade onde vivemos.

 

Assim como é possível transformar o trabalho na igreja em uma carreira profissional com progressos e conquistas. Também é possível fazer do trabalho secular um instrumento para servir a Deus e ao próximo.

 

 

O Chamado é um convite pessoal que Deus dirige a cada um. Cada ser humano tem algo singular, inerente a sua identidade e uma maneira pessoal de realizá-lo. A Palavra de Deus não dispensa ninguém de pensar, refletir, questionar, buscar a vontade do SENHOR (Ef 5:14-17).

 

Ao descobrir sua vocação, o homem está descobrindo a razão de sua existência, o propósito de existir, sua missão, seu ministério e alvo. Daí a necessidade de permanecer atento a tudo, até perceber sua própria vocação em termos específicos no contexto da Grande Comissão.

 

Duas reflexões:

 

A. Considere suas aptidões

Cada um de nós tem talentos específicos e em graus específicos que nos capacitam a exercer bem uma determinada profissão e outras não. Portanto, descobrir sua vocação profissional significa, pelo menos em parte, descobrir quais são os seus talentos e qual é o seu perfil profissional.

Deus, em sua infinita sabedoria, dá a cada um de nós aptidões naturais que se encaixam melhor em determinadas profissões do que em outras.

B. Faça a Pergunta Certa

Depois de identificarmos os nossos talentos, precisamos fazer a pergunta certa.

Em vez de “que profissão escolher” perguntarmos: “o que Deus está me chamando para fazer, depois de ter me dado meus talentos e me moldado como sou hoje?”.


 

Conclusão

 

Você tem um chamado geral e específico. Ninguém é uma peça que não serve para nada - você tem uma missão a ser conquistada.

 

Há muito para ser feito neste mundo. Cada discípulo deve esforçar-se para desempenhar suas funções da melhor maneira possível.

 

Diante disso, precisamos perguntar a nós mesmos, estamos no trabalho certo? Na profissão vocacionada por Deus?

Se Não – O que farei para voltar ao centro da vontade divina?

Se Sim – O que farei para dar o máximo de mim?

 

Seja qual for a sua resposta, queira viver para Deus e fazer a Sua vontade no tempo que lhe resta debaixo do Sol.


 

Para que, no tempo que ainda vos resta na carne não continueis a viver para as concupiscências dos homens, mas para a vontade de Deus. (1 Pe 4: 2)

 


Proselitismo & Ecumenismo

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on May 27, 2016 at 7:50 AM Comments comments (0)


Proselitismo nas igrejas evangélicas?


Proselitismo no meio evangélico não é uma prática bíblica, mas um desvio da ordenança da Grande Comissão. Trata-se de uma mudança do alvo da evangelização. O evangelista prega as boas novas aos não crentes para que  sejam salvos por Cristo. O proselitista não visa a salvação de almas, mas o remanejamento de crentes de um ministério para outro, persuadindo membros professos de uma determinada denominação de que a igreja que ele representa é a melhor, e que todos devem migrar para o seu grupo religioso. Lamentavelmente essa atitude é profundamente contrária a unidade da Igreja e ao espírito do Evangelho.

 

Entendo que, em vez de cooperação, o proselitismo divide, confunde e enfraquece o Corpo de Cristo (Jo 17:23; Ef 4:3).

O Apóstolo Paulo reprovou o proselitismo quando escreveu:


" De maneira que desde Jerusalém, e arredores, até ao Ilírico, tenho pregado o Evangelho de Jesus Cristo. E desta maneira me esforcei por anunciar o Evangelho, não onde Cristo foi nomeado, para não edificar sobre fundamento alheio. Antes, como está escrito:

“Aqueles a quem não foi anunciado, o verão, e os que não ouviram o entenderão” (Romanos 15:17-21).

 

Para anunciar o evangelho nos lugares que estão além de vós, e não em campo de outrem... (2 Co 10:16)


Vejo o proselitismo no meio evangélico como um esforço humano (e carnal) de engrossar as próprias fileiras denominacionais com fiéis conquistados de Igrejas-irmãs, dividindo a unidade da igreja, pervertendo a fraternidade cristã, provocando um sentimento de concorrência de público e poder, enfraquecendo a credibilidade da mensagem cristã. 


E o Ecumenismo?

É importante sabermos que a Bíblia não prega a união dos povos, mas a unidade do povo de Deus


Veja mais aqui - ECUMENISMO

 


SAL DA TERRA

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on May 23, 2016 at 2:30 PM Comments comments (0)


Introdução

Vós sois o sal da Terra. Se, porém, o sal se tornar insípido, como lhe restaurar o sabor? (Mt 5:13; Gn 19:26)

Jesus deixa claro que os discípulos deveriam “salgar” o mundo, impedindo-o de apodrecer. Mais do que isso, os discípulos, como sal da Terra, além de conservadores do bem, proporcionariam o verdadeiro “sabor da vida”, a presença manifesta de Deus entre os homens.


I- O Sal Dá Gosto à Vida Debaixo do Sol

O sabor do sal é marcante. Não é neutro. Deixa seu sabor onde é colocado. O sal não fica com gosto do arroz, mas o arroz fica com sal.

Jesus esperava que seus discípulos deixassem marcas no mundo ao invés de serem marcados por ele. Hoje, infelizmente, muitos seguidores de Jesus trazem mais traços do mundo em sua vida que deixam seus traços

A real presença dos discípulos de Jesus no mundo deve ser discernida como algo indispensável a um viver prazeroso, saudável, gostoso.

 O sal tem que saber que sua função é conservar e dar gosto.

 O sal se consome na sua missão; ele torna-se vida para os outros.


 

II- Não Precisamos Ser Maioria

Jesus ensina que o menor pode agir sobre o maior. A quantidade de sal é menor que a do alimento que ele deve salgar. Não se usam três xícaras de sal para três xícaras de arroz! Basta uma pitada. Não se põe um quilo de sal num quilo de carne. Quem a comeria? Basta pouco sal.

O sal nos confere a ideia do menor agindo sobre o maior. Não precisamos ser maioria. Devemos ser marcantes e influenciar a maioria. Devemos marcar o mundo e não sermos omissos ou marcados por ele.

E não devemos nos intimidar porque somos minoria. Jesus nunca pensou que seríamos maioria: “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz à vida, e poucos são os que a encontram” (Mt 7.13-14).

Não é a quantidade, mas a qualidade do seguidor de Jesus que importa.


 

 

III- Mas e quando o sal perde o sabor?

Comer sal insípido é algo desprezível. Quando o sal se torna insípido, sem gosto, ele para nada mais presta, senão para ser pisado, ridicularizado, desprezado, abandonado, pelos homens!

 

O sal insípido tem na mulher de Ló seu arquétipo maldito. Ela olhou para trás e virou estátua de sal. A mulher, que não apenas olhara para trás, mas ficara para trás...por conta própria.

 

A mulher de Ló não podia ir...sem ver o que havia deixado em Sodoma. Quando o ser humano deixa de obedecer a Deus, de olhar para frente, de seguir em frente, e passa a olhar para trás, a sentir saudades de alguma coisa, a desejar resgatar algo que ficou para trás, ele se petrifica em sal do mar morto.

O discípulo deve seguir em frente em fé e por confiar em Deus abraça o desconhecido, não teme as mudanças pequenas ou radicais. Mas os que olham para trás se petrificam...viram estatuas de sal.

 

O Destino do Sal Insípido

 Virar estatua de sal é o destino do sal que perde o sabor.

 Ser pisado pelos os homens é o destino do sal que perde o sabor.


 

IV- O que é Perder o Sabor?

Perder a função, a vocação, a missão; se não, vira monturo ou estatua de sal.

O sal, se perder sua salinidade, perde o sabor e o valor, para nada presta.

Muito provavelmente Jesus se referia ao sal dos charcos, pântanos e rochas próximos ao Mar Morto tem um alto teor de gipsita e de outras impurezas. Ele perde seu sabor e se torna arenoso. Assim, era usado como areia, lançado nas ruas das cidades israelenses, como se fosse areia, para diminuir a lama. Ao invés de salgar o mundo, o sal insípido era pisado pelos homens.

O discípulo é sal e deve ter utilidade. Se não tiver utilidade, para que serve? De que serve para o reino de Deus um seguidor de Jesus que age como se fosse um incrédulo? Ele é insípido, como o mundo. Sem gosto algum!


 

Conclusão

Há um documento cristão do Século II, chamado a “Epístola a Diogneto” que diz que o mundo seria destruído se não fosse a ação dos cristãos (cps. 5-6). O sal da terra tem conservado o mundo e permitido que o viver nele ainda tenha sabor. Precisamos ter isto em mente.

A real presença dos discípulos de Jesus no mundo deve ser discernida como algo indispensável a um viver gracioso, prazeroso e saudável.

Seguir a Jesus não é um chamado para ter uma vida de contemplação mística, e viver dentro de um prédio, mas é um chamado à ação, ao agir no mundo.

Somos o sal desta terra e há muito o que fazer. Nossa geração precisa ser salgada com o Evangelho, com um bom testemunho cristão e com boas obras.

Somos o sal desta terra. Temos que preservar a verdade, a justiça e as virtudes do Reino de Deus e temos que dar “sabor de vida” a este mundo. Se não o fizermos, o mundo perderá a graça e se corromperá mais rapidamente. E, se não o fizermos, perderemos nossa utilidade.

Seja sal. Deixe suas marcas onde você estiver. Seja o tempero de um mundo insosso. Você é um discípulo de Cristo! Deve salgar!

Você está disposto a fazer isso?

 


Discipulado

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on May 22, 2016 at 8:00 PM Comments comments (0)


Diz-me quem você segue e eu direi quem você é.

"Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me" (Lucas 9:23; Mateus 16:24; Marcos 8:34).

 

Introdução

De quem você é discípulo?

Todos nós, conscientes ou não, seguimos alguém, somos discípulos de alguém. Não somente admiramos pessoas, mas chegamos a imitá-las; copiamos comportamentos, corte de cabelo, hobbies, compramos as mesmas marcas de roupas, etc.

 Resultados Imediatos

Observa-se que, à medida que o seguidor intensifica e prolonga a imitação, vai absorvendo mais e mais, tornando-se a cada dia mais parecido com aquele que segue. Traços visíveis na aparência, na linguagem, pensamento e atitudes são facilmente identificáveis.

 Mas, porque fazemos isso?

Obcecados em saber o que dá certo e qual o passo a passo para o sucesso, nós nos esforçamos para repetir a fórmula das pessoas famosas e bem sucedidas.


 

I - A quem você tem seguido? E por que você o tem seguido?

Erramos Quando...

Não seguimos a ninguém exceto nós mesmos (Is 14:13; Fl 3:19). Insubmissão e orgulho, egoísmo e dureza de coração, independência e altivez.

Seguimos uma ideologia humana ou filosofia de vida... – (Jo 8:32.36; 14:6). Seguem o pensamento, o espírito, mas não a criatura.

Seguimos uma organização... (Jo 14:6). Seguem  a coisa criada, o sistema, a instituição.

Seguimos a maioria, modismos e grandes movimentos – (Rm 12:2). Cosmovisão da multidão, plural, relativa e anti-Deus.

Seguimos celebridades e poderosos porque são grandes, famosos – 1 Co 1:12 - A cada dia aumenta a idolatria aos famosos, atletas, atores, líderes ricos e poderosos, impulsionada por uma mídia capitalista que só visa o lucro, independentemente da forma como ele seja conseguido.

Seguimos gurus segundo as nossas cobiças – 2 Tm 4:3 - Imitam aqueles que mais lhe agradam, que alimentem os seus sonhos e que mais lhe tragam felicidade.

 

Em todos os casos, o processo é: Admiração, paixão, adoração. De simples admiradores a seguidores; de seguidores a adoradores. A dedicação intensa e prolongada faz a ascensão ao nível seguinte.


 

II - Paulo, o Discípulo de Cristo

I Co 11: 1 Sede meus imitadores, como também eu o sou de Cristo. (Fl 3:17; I Ts 1:6; Hb 6:12)


 

 

III - Seguir Jesus Requer sacrifícios.

Jesus nos leva a refletir sobre os nossos motivos para segui-lo.

Se vivemos para o conforto e facilidade, não vamos desistir da nossa vida, posição, dinheiro, amigos e diversão para seguir a Cristo.

“Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens.” (Mt 4.18.)

“Segue-me!” (Mt 9.9)


1. Ser discípulo de Cristo não se trata simplesmente de tomar uma decisão em um dado momento e pronto. Tem que haver continuidade e compromisso.

2. Ser discípulo de Cristo é fazer parte de um processo diário de aprendizado e crescimento. No discipulado há deveres, dificuldades, sacrifícios e recompensas.

3. A Convivência ou Comunhão com o Mestre é que determina a qualidade do Discipulado. Há pessoas que querem apenas ver o que Jesus faz, sem o compromisso de estar sempre com Ele. Mas, é através do tempo de comunhão que se desenvolve uma personalidade cristã. (Pedro, Tiago e João x Tomé, Bartolomeu e Simão, o zelote x Os Setenta)

 


IV - “O que é seguir, senão imitar?” – Santo Agostinho

“Você quer ser igual a mim?” Na tradição judaica, quando alguém era convidado por um rabino para segui-lo era como se ouvisse esta pergunta: “Você quer ser igual a mim?”

Teria sido esta pergunta o mesmo dilema que ressonou no coração dos doze primeiros discípulos de Jesus? Para eles, sem dúvida, tratava-se de um chamado radical – imitar o rabino Jesus.

• Discipular é fazer imitadores.

• Discípulo é aquele que imita seu mestre.

 

 


Conclusão: Tudo Que Focamos e Adoramos Transforma o Nosso Ser

Todos nós estamos sendo discipulados e transformados e esta transformação não diz respeito somente ao curso natural da vida, mas àquilo que nos dedicamos com profunda devoção.

 Sl 115:8 – O adorador de ídolos

 2 Co 3:18 – Transformados de glória em glória na imagem do Senhor

Daí a importância de um Discipulado certo, feito com dedicação, devoção, profundidade, até que sintamos que temos a mente de Cristo dentro de nós, manifestando e testemunhando ao mundo suas palavras, curas, libertações, transformações, salvando vidas...

 

 

 

 


A Verdadeira Adoração

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on May 16, 2016 at 8:20 PM Comments comments (0)

Introdução - Os samaritanos e os judeus

Os samaritanos ocupavam o país que anteriormente pertencia à tribo de Efraim e à meia-tribo de Manassés. A capital do país era Samaria. 700 anos A.C. , quando as dez tribos foram levadas em cativeiro para a Assíria, o rei de lá enviou pessoas de Cuta, Ava, Hamate e Sefarvaim para habitar Samaria (2 Reis 17:24; Esdras 4:2-11). Esses estrangeiros casaram-se com a população israelita que ainda estava dentro e em torno de Samaria. Os samaritanos adotaram uma religião que era uma mistura do Judaísmo e idolatria (2 Reis 17: 26-28).Os samaritanos eram geralmente considerado "meia-raças" e eram universalmente desprezados pelos judeus.

1. Os judeus, após o seu retorno da Babilônia, no ano 587 a.C., começaram a reconstruir o seu templo. Enquanto Neemias estava envolvido na construção dos muros de Jerusalém, os samaritanos vigorosamente tentaram atrapalhar esse empreendimento (Neemias 6: 1-14).

2. Os samaritanos construíram para si mesmo um templo no "monte Garizim," o qual os samaritanos insistiram que foi designado por Moisés como o lugar onde a nação deve adorar. Sambalate, o líder dos samaritanos, estabeleceu seu genro, Manassés, como sumo sacerdote. A religião idólatra dos samaritanos foi assim perpetuada.

3. Samaria tornou-se um lugar de refúgio para todos os foragidos da Judeia (Josué 20: 7; 21:21). Os samaritanos de bom grado receberam criminosos e refugiados judeus, aumentando o ódio que existia entre as duas nações.

4. Os samaritanos aceitavam apenas os cinco livros de Moisés e rejeitaram os escritos dos profetas e todas as tradições judaicas.

Essas causas deram origem a uma diferença irreconciliável entre judeus e samaritanos, de modo que os judeus consideravam os samaritanos como os piores da raça humana (João 8:48) e não tinham quaisquer interações com eles (João 4:9). Apesar do ódio entre os judeus e os samaritanos, Jesus quebrou as barreiras entre eles, pregando o evangelho da paz para os samaritanos (João 4: 6-26); os apóstolos mais tarde seguiram o Seu exemplo (Atos 8:25). .

 

I- Jesus revela a essência da verdadeira adoração.

A questão crucial não é onde devemos adorar a Deus, mas como devemos adorá-lo.

1. A adoração genuína não pode ser limitada a lugares e épocas;

2. O Foco da adoração é Deus;

3. A adoração a Deus tem ser em espírito e em verdade.

Deus, e não o homem, é quem estabelece os princípios da adoração (João 4:24)

 Adoração em Espírito;

 Adoração em Verdade.

Diante disso:

 Fica implícito que Deus não aceita a adoração nos critérios humanos;

 Fica implícito que qualquer adoração diferente do que foi dito em Jo 4:24 é uma adoração falsa. (Os 4:12)

 

1 Co 10: 20 Antes digo que as coisas que eles sacrificam, sacrificam-nas a demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios.


 

Reflexão: Se o que vale é a sinceridade de coração; se o que conta é fazer a obra de Deus, e se podemos adorar a Deus do nosso jeito, então...

 Por que Deus rejeitou a oferta de Caim? Gn 4:4-5

 Por que Nadabe e Abiú morreram quando apresentaram "fogo estranho" perante o SENHOR? Nm 3:4

 Por que Uzá morreu ao tocar na Arca de Deus? 2 Sm 6:6-7

 Por que Saul foi reprovado quando sacrificou no atraso de Samuel? 1 Sm 13:9ss


 

II-Deus é Espírito

Deus é um Ser Singular, único, exclusivo, incomparável. Ele é o único ser incriado, não tem princípio e nem fim, é auto existente, uma personalidade invisível, real, de natureza pura, infinitamente perfeita, e que habita em luz inacessível, que se situa na dimensão do invisível e do sobrenatural, além dos limites do tempo, do espaço e da percepção sensorial humana.

Os que adoram a Deus devem adorá-lo em conformidade com aquilo que Ele estabeleceu como princípios da adoração:

2.1-Adorar em Espírito - Devoção de coração, não mecânica.

Is 29: 13 Por isso o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas tem afastado para longe de mim o seu coração, e o seu temor para comigo consiste em mandamentos de homens, aprendidos de cor;

Ef 5: 19 falando entre vós em salmos, hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração.

2.2-Adorar em Espírito - Adorar por meio do Espírito Santo.

Gl 4: 6 E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai.

Rm 8: 26 Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis.

2.3-Adorar em Verdade - Devoção sincera, não fingida.

Mc 7: 7 mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.

2.4-Adorar em Verdade - Adoração por meio de Cristo (Jo 14:6) e de Sua Palavra (Jo 17:17)

Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. (Jo 14:6)

Então ordenou-lhe Jesus: Vai-te, Satanás; porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás. Mt 4:10


III – Conclusão

Vem a ora e Já Chegou - Cristo inaugura um novo tempo, de mudanças significativas na adoração.

Deus Busca Verdadeiros Adoradores - Deus busca (não determina...) verdadeiros adoradores que O adorem em espírito e em verdade (Jo 4:23-24).

 


Quando o Evangelho é Boa Notícia

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on May 10, 2016 at 10:35 AM Comments comments (0)


O Evangelho precisa ser entendido como uma boa notícia. Mas, infelizmente, muitos insistem em apresentar o Evangelho como se fosse um “ar condicionado” a um esquimó.


Entenda porque João Batista veio antes de Jesus Cristo. Ele veio preparar os corações para o Salvador.


Os humanos devem, primeiramente, ter consciência de que são transgressores da Lei de Deus, que o pecado traz juízo e condenação eterna, que nenhum pecador pode se auto justificar diante de Deus; eles têm que entender que estão a caminho do juízo final, que se encontram separados do Lago de Fogo, apenas temporariamente, por alguns breves anos nesta terra. Os pecadores precisam sentir que estão perdidos, condenados e banidos da face de Deus eternamente, a fim de que a Boa Notícia da Salvação anunciada pelos evangelistas, tenha sentido ao ser ouvida e seja, então, recebida por corações arrependidos, quebrantados, sedentos de Deus, carentes e necessitados do único que pode salvar o pecador: Jesus Cristo.

Como ser Salvo?

 


Deus Usa Quem Ele Quer

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on May 8, 2016 at 6:50 PM Comments comments (2)


Texto de Apoio: 1 Sm 10:1-7

 

Introdução

Deus criou todas as coisas que há no céu e na terra, (Cl 1:16) “Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele”. E em (João 1:3) diz o seguinte: “Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez”. Sendo Ele o Criador de todas as coisas, todas as coisas lhe estão sujeitas e submissas à Sua vontade.

Deus chamou e usou Saul como Rei de Israel.

 

I- Deus usa quem Ele quer como instrumento de sua vontade: anjos, pessoas, animais, etc.

Deus usou corvos para sustentar o Profeta Elias, (1 Reis 17:4) “E há de ser que beberás do ribeiro; e eu tenho ordenado aos corvos que ali te sustentem”.

Deus usou uma jumenta para falar com o falso profeta Balaão, (Números 22:28 e 30) “Então, o SENHOR abriu a boca da jumenta, a qual disse a Balaão: Que te fiz eu, que me espancaste estas três vezes? (...)

Deus usou um grande peixe para tragar em seu ventre o profeta Jonas, que Lhe desobedecera, (Jonas 1:17) “Deparou, pois, o SENHOR um grande peixe, para que tragasse a Jonas; e esteve Jonas três dias e três noites nas entranhas do peixe”.

Deus usou um espírito maligno para atormentar Saul. (1 Samuel 16:15-16, 23,18:10 e 19:9).

Deus usou (permitiu) que um mensageiro de Satanás atormentasse o apóstolo Paulo a fim de ensiná-lo a confiar na graça e no poder divino e não se tornar orgulhoso por causa da abundância de revelação espiritual que lhe fora dada. (2 Coríntios 12:7).

Deus usou uma viúva não judia para sustentar o Profeta Elias, (1 Reis 17:9) “Levanta-te, e vai a Sarepta, que é de Sidom, e habita ali; eis que eu ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente”.

Deus usou um eunuco etíope para salvar o Profeta Jeremias tirando-o do calabouço, (Jeremias 38:7, 9 e 10)

Deus usou ao rei Ciro, da Pérsia a construir uma casa ao Senhor em Jerusalém (Esdras 1:2 e 3) “Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR, Deus dos céus, me deu todos os reinos da terra; e ele me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que é em Judá. Quem há entre vós, de todo o seu povo, seja seu Deus com ele, e suba a Jerusalém, que é em Judá, e edifique a Casa do SENHOR, Deus de Israel; ele é o Deus que habita em Jerusalém”.

Usou o rei Artaxerxes para que Neemias fosse levantar os muros de Jerusalém, (Neemias 2:18) “Então, lhes declarei como a mão do meu Deus me fora favorável, como também as palavras do rei, que ele me tinha dito. Então, disseram: Levantemo-nos e edifiquemos. E esforçaram as suas mãos para o bem”.

Deus usa os céus para anunciar a Sua glória – Sl 19:1

 

  • Deus é soberano. Deus usa quem Ele quer.
  • Na Seara de Deus temos que ser voluntários, aqueles que se prontificam.
  • Se calarmos as pedras clamarão, (Lucas 19:40) “E, respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão”.


II-Ser usado por Deus não significa ser aprovado por Deus

Assim como há muitos chamados e poucos escolhidos, há também muitos usados e poucos aprovados. (Mt 22:14)

2.1-Ser usado por Deus não é mais importante que obedecer a Deus. Ser usado por Deus não pode nos envaidecer ou ocupar o nosso coração acima de “obedecer a Deus”, porque obedecer é mais importante que ser usado.

Mt 7:21. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! (Senhor é Dono – “Nem todo que me diz Senhor entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

2.2-Ser usado por Deus não é mais importante que agradar a Deus. Noé era homem justo e íntegro entre os seus contemporâneos; Noé andava com Deus.” (Gn 6:9)

Noé agradou a Deus não pelos os seus feitos, mas pela santidade. Foi isso que chamou a atenção de Deus.


 

III- O que nos faz sermos aprovados é termos o caráter de Cristo.

A santificação molda um novo caráter em nós: O caráter de Cristo. Por isso, santidade e bom caráter andam juntos.

Saul teve a oportunidade de mudar o caráter e de ser um homem do agrado do SENHOR quando o Espírito Santo veio sobre ele. Infelizmente a realidade foi outra. Saul desobedeceu a Deus várias vezes e terminou seus dias em total desagrado do SENHOR.

A glória de sermos usados pelo o SENHOR não é nossa. A glória é de Deus.

Por causa da fama, do dinheiro e de outras vaidades, muitos tem “mudado o foco” e perdido a direção do “caminho estreito” (Mateus 7.14).

Cometemos o erro de supervalorizar a atuação dos dons espirituais nas pessoas ao nosso redor e não darmos a glória a Deus e sim ao homem que Ele usa.

Cometemos também o erro de não voltarmos a nossa atenção para o caráter e a santidade daqueles que são usados por Deus.

Não devemos nos “deslumbrar” por sermos usados por Deus, pelo contrário, devemos nos lembrar o tempo todo que não somos nada sem Ele, e que a excelência do poder é Dele e não nossa.

2 Coríntios 4:6. Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo. 7. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós.


Conclusão

Saul foi chamado, mas não foi escolhido por Deus.

Saul foi usado, mas não foi aprovado por Deus.

E você?

Lembre-se:

  • Deus é o Oleiro, e o Seu Espírito é o Óleo que enche o vaso.
  • Nós somos apenas os vasos de barro nas mãos do Oleiro.
  • Sem o Óleo o vaso não é nada.

 Shalom ADONAI!

O Reino de Deus

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on May 1, 2016 at 7:40 PM Comments comments (0)


Leitura Inicial - Mc 1:15; Mt 4:23

 

Introdução

Um reino é um território governado por um rei. Deus é a autoridade suprema sobre tudo que existe, sobre o que é visível, e o que é invisível, sobre a criação, os anjos, a humanidade, a história, as nações e os eventos futuros. Ele é o Rei.

 

Há dois aspectos principais do Reino de Deus:

 

1) O Domínio de Deus sobre a Criação

2) O Governo moral-espiritual de Deus sobre o seu povo

 


I - Reino - Domínio Sobre Todas as Coisas

Em termos gerais, o reino de Deus abrange tudo que existe, pois tudo está debaixo do domínio do Senhor. O reino de Deus é o domínio soberano, universal e eterno de Deus e compreende toda a criação. (Dn 2.37-44; Is 9.6,7).

 

O Senhor estabeleceu o seu trono nos céus, e o seu reino domina sobre tudo (Sl 103:19).

 

Bendito és tu, ó Senhor, Deus de nosso pai Israel, de eternidade em eternidade. Tua é, ó Senhor, a grandeza, e o poder, e a glória, e a vitória, e a majestade, porque teu é tudo quanto há no céu e na terra; teu é, ó Senhor, o reino (1 Cr 29:10-11).


 

 

II - Reino - Domínio Sobre o Seu Povo

O Reino de Deus é também o domínio de Deus no coração dos homens que, voluntariamente, a Ele se submetem pela fé, aceitando-o como Senhor e Rei. É, assim, o reino invisível nos corações regenerados, que opera no mundo e se manifesta pelo testemunho dos seus servos (Mt 4.17; 6:33; Lc 17.20; 4.43; Jo 18.36; 3.3-5;1Pe 2.9,10). Neste aspecto, a essência desse reino é a prática da vontade de Deus, que está expressa na "constituição do reino", a Bíblia Sagrada.

 

2.1-Deus Governando a Nação de Israel.

"constitui-nos, pois, agora, um rei sobre nós, para que nos governe, como o têm todas as nações". I Sm 8: 5

"Disse o Senhor a Samuel: Atende à voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te rejeitaram a ti, mas a mim, para eu não reinar sobre eles."      I Sm 8:7


2.2-Deus Governando a Igreja

Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (1 Pe 2:9).

(Mt. 16.16-19; Jo. 17.22-26; 2 Co 11.2; Ef. 4.10-16; 5. 22-27; 2 Tm. 3.15; Hb. 12.22-24; I Pe. 2.9,10).

 

O que aprendemos:

1) Que o Reino de Deus compreende Tudo aquilo que está no domínio soberano, eterno e universal de Deus;

2) Que o Reino de Deus compreende o governo de Deus no coração dos homens que, voluntariamente, a Ele se submetem pela fé, aceitando-o como Senhor e Rei.

 


III- O Reino de Deus Expressa os Atributos de Deus.

Quando Deus criou todas as coisas, colocou Sua impressão digital sobre o domínio que Ele governa. Percebemos em todas as coisas criadas por Deus não apenas o seu poder, mas vemos também atributos de Sua natureza.

 

O universo existe para expressar a glória de Deus (Sl 19:1).

 

Deus também cunha Sua própria imagem sobre um povo e sobre pessoas individualmente. Estas pessoas são chamadas o povo do reino e este domínio é chamado Reino de Deus.

 

... como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. (2 Co 6:16)

 


IV- Qual é a natureza do Reino de Deus Sobre o Seu Povo?

Essencialmente o reino de Deus é espiritual. Isso porque Deus é Espírito.

 

Lc 17:20-21 – Jesus e os fariseus.

O reino de Deus é basicamente espiritual em sua natureza. Por isso para fazer parte do Reino de Deus é preciso nascer do Espírito (Jo 3.3,5).

 

O Reino de Deus é invisível no mundo, mas se manifesta na sociedade pelo testemunho daqueles que nasceram do Espírito de Deus. (Is. 9:6,7; Dn. 2:37-44; Mt. 4:17; 6:33; 25:31-46; Lc. 17:20; 4:43; Jo 18:36; 3:3-5;At 28:31; 1 Co 15:24).

O crente é um legítimo cidadão do Reino e o maior propósito de um cidadão do Reino deve ser a realização da vontade do Rei Jesus.

 

O que aprendemos:

 

  • O Reino de Deus reflete Sua glória, atributos e perfeições.
  • A natureza do Reino é essencialmente espiritual.

 

 

 


V-A Chegada do Rei Jesus na Terra

O propósito da Bíblia, em especial o do Novo Testamento, é o estabelecimento do Reino de Deus entre os homens.

A fase neotestamentária do Reino foi inaugurada com a chegada do Messias.

 

1) Primeiro a chegada do Rei

 

Exulta, e alegra-te, ó filha de Sião; pois eis que venho, e [habitarei] no meio de ti, diz o Senhor. (Zc 2:10)

 

Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém; eis que vem a ti o teu rei; ele é justo e traz a salvação; ele é humilde e vem montado sobre um jumento, sobre um jumentinho, filho de jumenta. (Zc 9:9 – Jo 12:15)

 

A qual, no tempo próprio, manifestará o bem-aventurado e único soberano, Rei dos reis e Senhor dos senhores (1 Tm 6:15; Ap 19:16);

 

2) A Proclamação do Reino

O tempo está cumprido, e é chegado o reino de Deus. Arrependei-vos, e crede no evangelho. (Mc 1:15)

 

Ele, porém, lhes disse: É necessário que também às outras cidades eu anuncie o evangelho do reino de Deus; porque para isso é que fui enviado. (Lc 4:43)

 

Logo depois disso, andava Jesus de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e iam com ele os doze (Lc 8:1)

 

aos quais também, depois de haver padecido, se apresentou vivo, com muitas provas infalíveis, aparecendo-lhes por espaço de quarenta dias, e lhes falando das coisas concernentes ao reino de Deus. (At 1:3 – At 8:12; 19:8; 20:25; 28:23; 28:31)

 

3) O Chamado Ao Reino

 

Buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas. (Mt.6.33).

Jesus em sua oração, ele disse:

Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. (Mt 6:9-10)

  • O Pai – O Reino é dos filhos de Deus (Rm 8:15; Gl 4:6)
  • O Nome – Exaltado, glorificado. (O Rei - Seu Ser, atribuições e perfeições)
  • O Reino – O Governo de Deus. O Domínio s/ vidas. (Desejado/invocado p homens)
  • A Vontade de Deus – Submissão
  •  Teu é o reino, o poder e a glória para sempre. (Mt 6:13)


 O que aprendemos:

1) A Chegada do Rei Jesus

2) A Proclamação do Evangelho do Reino de Deus

3) O Chamado ao Reino de Deus nesta Terra

 

VI - Opositores do Reino

Há também os opositores do Rei, que são os demônios, tipos que não se submetem à vontade de Deus e que procuram criar um domínio paralelo (o reino das trevas). Estes opositores do Rei cegam o entendimento dos incrédulos para que não lhes resplandeça a luz de Cristo para que não vejam o Reino de Deus. (2 Co 4:4)

 

para lhes abrir os olhos a fim de que se convertam das trevas à luz, e do poder de Satanás a Deus, para que recebam remissão de pecados e herança entre aqueles que são santificados pela fé em mim. (At 26:18)


 VII - A Consumação do Reino de Deus

 

E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim. (Mt 24:14)

 

E tocou o sétimo anjo a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: O reino do mundo passou a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos. (Ap 11:15)

 

Cremos que o Reino de Deus crescerá até a sua consumação na Segunda Vinda de Jesus Cristo, quando o mal será completamente vencido e surgido um novo céu e uma nova terra para a eterna habitação dos remidos. (Is. 9:6,7; Mt. 4:17; 6:33;25:31-46; Mc 1:15; Jo 18:36; 1 Co. 15:24; 1 Pe. 2:9,10; Ap. 11:15).

 

Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; Mt 25:34

 E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2 Co 5:15

 

Conclusão:

Você faz parte do Reino de Deus? Jesus Cristo é o SENHOR de sua vida, seu Rei e Deus?

 


A Força e a Fraqueza de Um Líder

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on April 24, 2016 at 2:35 PM Comments comments (0)


A Força e a Fraqueza de Sansão

Texto Base: Jz 16:23-31


 

Introdução

Os juízes foram líderes tribais que governaram Israel no período que se seguiu à conquista de Canaã. Quando se estabeleceram na terra prometida, os israelitas enfrentaram muitos inimigos vizinhos. Um deles veio da costa do Mar Mediterrâneo. Tratava-se dos filisteus. Saul e Davi muito se empenharam para combatê-los. Mas antes dos reis, Deus levantou um juiz para começar a libertar Israel do domínio filisteu, Sansão, da Tribo de Dã.

 

Sansão foi uma figura um tanto contraditória: foi consagrado desde o ventre da sua mãe para Deus, mas viveu uma vida fora dos propósitos do SENHOR. (2 Co 5:15)


1- O Líder

1) Sansão foi  juiz de Israel. Julgou por 20 anos (Jz 15.20). Ele começou a libertar Israel do poder dos filisteus (13.5b).

2) Sansão era nazireu, isto é, consagrado a Deus (Nm 6.1-21). Comprometimento do nazireu: não tomar vinho nem bebido forte; não tocar em cadáveres; não comer alimentos impuros; não cortar o cabelo.

3) Sansão era um instrumento do Espírito do Senhor: 13.25; 14.6. O Espírito lhe dava força, capacitava-o para lutar. Aliais, o nome “Sansão” significa “como o sol”, que era um símbolo da força (Jz 5.31).

 

Sansão tinha em suas mãos o poder de Deus para vencer o inimigo. O Espírito do Senhor agia sobre ele. Ele poderia libertar completamente Israel das mãos dos filisteus. Mas, não libertou. Antes, ele mesmo acabou sendo preso, torturado e humilhado pelo inimigo.


2- A Ruína do Líder

Sansão quebrou seu voto com Deus. Tocou no cadáver de um leão (14.9). Bebeu bebida forte (14.10: “banquete”, literalmente “uma festa de bebidas”

 

Sansão tinha o poder do Espírito, mas não era dirigido pelo Espírito. Era carnal, dirigido por suas paixões: 14.4.

 

A ruína final de Sansão é narrada em Jz 16.4-31. Depois de se envolver com muitas mulheres, casa com Dalila. Curiosamente o nome “Dalila” significa “fraca”, e contrasta-se com a força de Sansão. Sansão era forte, mas Dalila era sua fraqueza!

 

Sansão se envolveu com a pessoa errada. Sua vida ensina-nos que existem alianças perigosas, com influências perigosas.

 

Sansão era continuamente importunado por Dalila até que cedeu às pressões: 16.16. Ele revelou “tudo o que tinha no coração” (v.18).

 

No colo da Dalila, os cabelos de Sansão foram cortados: v.19. “e sua força desapareceu”. Sansão estava fraco, mas “não sabia”. Pior do que a fraqueza, é a ignorância da fraqueza.

 

Naquela ocasião o juiz de Israel foi preso pelos filisteus. Seus olhos foram furados (v.21). No cativeiro, tornou-se um animal de trabalho, moendo grãos em Gaza. Foi humilhado: v.23-27. O forte tornou-se fraco. Aquele que colocava medo em todos, agora era zombado. Os que fugiam de Sansão, agora gracejavam dele. Sansão tornou-se troféu de conquista dos filisteus.

 

Sansão, símbolo de força e coragem; juventude e disposição... O mais forte guerreiro nas batalhas... Temido pelos inimigos, cobiçado pelas mulheres, paparicado pelos pais, tinha profundas falhas no caráter e em seu compromisso de servir a Deus no propósito pelo qual fora chamado. Ele jamais compreendera ou valorizara a sua missão.

 

Sansão é um testemunho de que não vale à pena sair do propósito de Deus e nem brincar com o pecado.


3- A última oração

Sansão foi levado ao templo de Dagom, que era o deus do grão e da colheita, a entidade mais importante dos filisteus. A adoração no templo incluía a tortura e o sacrifício de prisioneiros.

 

Ali estava Sansão enfraquecido e humilhado diante do inimigo.Todavia, em certo momento de sua humilhação, enquanto era zombado, pediu para um jovem conduzi-lo até as colunas que sustentavam o templo.

Enquanto mais de três mil homens caçoavam dele, orou:

“Ó Senhor Deus! Lembra-te de mim e dá-me forças só mais esta vez…” (v.2.

 

Nos últimos momentos de vida, Sansão clamou ao Senhor. Ele creu, por isso que seu nome foi inserido na “galeria da fé” de Hebreus (Hb11.32).

 

Percepção Espiritual

  1. Identificou os “pilares” de sustentação do Templo de Dagon
  2. Orou a Deus
  3. Usou toda força de Deus para derrubar a estrutura do mal

 

O Senhor ouviu sua oração. As duas colunas centrais foram empurradas, e o templo ruiu sobre todos. Por um ato soberano e gracioso de Deus, sua oração ouvida...chegou a hora de cumprir a missão, de fazer valer a pena. Sansão usa seu dom, a força de Deus em sua vida, e derruba a estrutura do mal. Sansão matou mais filisteus em sua morte do que em toda a sua vida (v.30b).


 

Conclusão

 

Entre outras coisas muito importantes, aprendemos com Sansão sobre o perigo de:

1) Sair dos propósitos do SENHOR;

2) Ter carisma e não ter caráter;

3) Brincar com o pecado.

 

Mas você não precisa ser humilhado como Sansão para voltar-se para Deus.

Você não precisa ter os ‘olhos furados’ para mudar a maneira de ver a vida e poder entender a vontade de Deus para você.

 

Arrependa-se, ore. Use aquilo que Deus lhe deu e faça cair o cativeiro do Diabo. Este é o tempo de voltar e recomeçar.

 

 


NAO no sentido certo

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on April 18, 2016 at 8:35 PM Comments comments (0)


1) Não queira viver numa Matriz, num mundo de fantasias e de ilusões. Abandone as fábulas, apegue-se à verdade bíblica para viver a realidade na perspectiva de Deus.

 

2) Não corra atrás do vento. Não viva só para agradar a si mesmo. Não gaste sua força, seus talentos e seus dias em coisas vãs.

 

3) Não enfatize demasiadamente o meio e o temporal. Ponha o seu foco no ETERNO e sua vida será conduzida por Ele.


4) Não queira crescer fora da vontade de Deus. Não busque o sucesso ou a riqueza e nem siga os famosos em detrimento de sua vocação e de sua fidelidade a Cristo.

 

5) Não faça parte do grupo que tenta a todo custo impressionar o mundo e não a Deus. Não se importe com o sucesso pessoal e a grandeza de outros. Faça a sua parte: seja fiel, trabalhe, aprenda a negar a si mesmo, priorize a simplicidade, o amor e a santidade, “sem a qual ninguém verá o SENHOR”.


6) Não ouça os famosos só porque são famosos. Queira ouvir os sábios, aqueles que têm vida com Deus, que silenciam tanto o ego que só conseguimos escutar a voz do Altíssimo quando falam.

 

7) Não negligencie a Palavra, suas leis e princípios, não apague os dogmas pela experiência; não troque doutrinas e costumes milenares por modismos passageiros.

 

8- Nunca substitua o culto pelo o show e nem a cruz por uma vida indolor. Não seja seduzido pelas promessas enganosas do “evangelho da facilidade”, porque são anátemas.

 

9) Não viva arrastando o passado, deixe-o para trás. Não estacione no presente e nem fique sobrecarregado com ele. Olhe para o futuro. Busque a leveza  para  melhor correr a carreira que lhe está proposta.

 

10) Não viva na reserva espiritual, pois o caminho pode ser mais longo do que você imagina. Seja sempre cheio do Espírito e você completará a carreira, com graça, fé e grande júbilo.

 

 

 



Rss_feed