CNV

Click here to edit subtitle

Artigos da CNV:

Consciência Moral - Alteração de Consciência

view:  full / summary

Tolerancia

Posted by BenneDen on November 19, 2017 at 6:10 AM Comments comments (0)

A Tolerância Pós-Moderna

Nesta geração surgiu a filosofia comportamental da tolerância dizendo que devemos não somente aceitar aqueles que diferem de nós em pensamento e atos, mas aprovar suas ideias e práticas como legítimas, sejam elas quais forem.

A tolerância pós-moderna é “Disposição de aprovar, abraçar e adotar, modos de pensar, de agir e de sentir diferentes dos nossos”.

Os cristãos devem avaliar a “tolerância pós-moderna” como falsa, perigosa, ímpia e antibíblica.


1- A tolerância pós-moderna é falsa.

A tolerância pós-moderna é falsa porque é intolerante. Ela não admite nenhuma forma de opinião ou disposição em contrário, colocando uma mordaça nos que pensam diferente, impedindo a liberdade de expressão e a pluralidade de opinião, ou seja, a tolerância pós-moderna é totalmente intolerante. Por isso ela é falsa.

A tolerância pós-moderna é falsa porque mente, finge a busca de aceitação social da diversidade de pensamentos e comportamentos, quando na verdade quer impor sua cultura de modo que todos tenham que seguir, abraçar ou adotar tais ideias e estilos de vida.

2- A tolerância pós-moderna é perigosa.

É perigosa porque leva à acomodação da igreja diante do pecado e do mundo. Deus chama a igreja à viver em oposição ao pecado e ao mundo, e em devoção a Deus.

Falhando em viver em santidade a igreja não tem nenhum direito de chamar a si mesma de igreja de Cristo, e nenhuma autoridade de denunciar o pecado porque não será diferente do mundo.

Quem dentre vós me convence de pecado? Se digo a verdade, por que não me credes? Jo 8:46

Porquanto está escrito: Sereis santos, porque eu sou santo. 1 Pedro 1:16

3- A tolerância pós-moderna é ímpia e antibíblica.

A visão de tolerância pós-moderna é ímpia e antibíblica, pelo fato de rejeitar Deus e a Sua Palavra como padrão à vida humana, afirmando que devemos tolerar, aprovar e abraçar as ideias e práticas dos homens e não de Deus. O homem coloca-se como um juiz do certo e do errado.

A Palavra de Deus claramente proíbe o assassinato: "Não matarás" (Êxodo 20:13). Mas a sociedade, embora condenando o assassinato de um adulto, passa a tolerar o assassinato de bebês em gestação e, em muitos casos, o assassinato de uma pessoa em coma.

A Palavra de Deus claramente proíbe o adultério e todas as perversões sexuais, declarando que o sexo é permissível somente entre o marido e sua esposa: "Não adulterarás" (Êxodo 20:14; 1Coríntios 5:1-5 e Hebreus 13:4). Mas a tolerância pós-moderna permite o adultério e a sexualidade extraconjugal de todos os tipos, e clama por tolerância na questão do homossexualismo.

O homem dá uma nova versão as Escrituras, interpretando-a numa premissa errada, que um Deus que ama uma pessoa ignora ou tolera os pecados da mesma.

O homem pós-moderno considera-se independente para construir suas próprias ideias de moralidade. Tudo isso revela que o homem abandonou Deus e sua Palavra como o padrão de certo e errado. Os homens não querem que Deus lhes diga o que fazer! O homem quer ser o juiz do certo e do errado.


A Intolerância de Jesus Diante do Pecado

A bondade e a paciência de Jesus Cristo com os pecadores não significa tolerância para com o pecado.

E não vos associeis às obras infrutuosas das trevas, antes, porém, condenai-as; Ef 5:11


1. Jesus foi totalmente intolerante diante do falso ensino dos escribas e fariseus. Ele confrontou diretamente os falsos mestres com os repetitivos, "Ai de vós ... hipócritas, guias cegos." Mt 23:13; Lc 11:42

2. Jesus foi totalmente intolerante com a maldade dos homens. Ele frequentemente expôs a verdadeira natureza dos homens usando nomes de animais para descrevê-los figurativamente. Ele chamou os fariseus de "descendência de serpentes", Herodes "uma raposa", falsos mestres de "lobos", e pagãos não regenerados "cães".


Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno? (Mateus 23:33).

Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos... (João 8:44)

3. Jesus foi totalmente intolerante com a ganância e a corrupção dos cambistas no templo de Jerusalém. Ele foi enérgico ao fazer um chicote, expulsar os vendilhões e derrubar as suas mesas no lugar de adoração. (Mt 21:12)


A Tolerância de Jesus Diante do Pecador

A verdadeira Tolerância é "Disposição de admitir, nos outros, modos de pensar, de agir e de sentir diferentes dos nossos".

O modelo da verdadeira tolerância é encontrado em Jesus Cristo. Ele diz respeito ao amor de Jesus para com o pecador, sem compartilhar, no entanto, com os erros e transgressões dos homens.

Jesus Cristo, quando estava agonizando na cruz, não odiou seus algozes, mas orou:

“Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Jo 23.34).

Jesus perdoou a mulher apanhada em adultério.

Respondeu ela: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu te condeno; vai-te, e não peques mais. Jo 8:11


A tolerância verdadeira consiste em:

• Amar o pecador e lhe dar oportunidade de arrependimento.

No contexto bíblico, amor não é sinônimo de impunidade, assim como paciência não é o mesmo que relaxamento.

Amar o pecador e ser paciente com ele, dando-lhe oportunidade de arrependimento, não significa tolerar o pecado e nem excluir a disciplina. A oportunidade de arrependimento deve vir acompanhada de uma advertência energética contra o pecado, a fim de que o pecador possa reconhecer, sentir e confessar a sua culpa, desejando não mais praticar a transgressão.


O Cristão Pode Julgar?

Os militantes da tolerância pós-moderna dizem que não. Mas, as Escrituras Sagradas afirmam algo bem diferente.

É dever do cristão julgar de acordo com as Sagradas Escrituras.

• João 7:24 - Não julgueis segundo a aparência, e sim pela reta justiça.

• Lucas 12:57 - E por que não julgais também por vós mesmos o que é justo?

• 1 Coríntios 1:15 - Falo como a criteriosos; julgai vós mesmos o que digo.

• 1 Coríntios 5:12 - Pois, que me importa julgar os que estão de fora? Não julgais vós os que estão de dentro?

• 1 Tes 5:21 – Julgai todas as coisas, retende o que é bom.

• 1 João 4:1 - Não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.

O cristão não pode julgar em desacordo com as Escrituras.

1. Julgamento hipócrita – Mt 7:5; Rm 2:1

2. Julgamento superficial – Jo 7:24; 1 Tm 5:19

3. Julgamento difamatório – Tg 4:11


O Julgamento envolve dois fatores principais.

1. Primeiro, o cristão observa, depois avalia o que observou, considerando os aspectos ou implicações e, por último, chegando a uma conclusão, expressa uma opinião com respeito a se o que observou é bom ou ruim, certo ou errado.

2. O segundo fator principal envolvido no julgamento é o da sentença. Essa parte compete a Deus, o supremo Juiz de todos os homens. Se o juiz descobre que o acusado é culpado do crime, então ele o sentencia a um castigo apropriado. Se o juiz descobre que o acusado é inocente, então o deixa livre de castigo, dando-lhe a sentença de liberdade.

Ao dizer que o cristão deve julgar, temos em mente primariamente o primeiro sentido de julgar, ou seja, o de decidir o que é certo e o que é errado, o bem e o mal. Todo julgamento cristão deve envolver tal determinação. O segundo sentido pertence a Deus – Tg 4:12. Somente em poucos casos nosso dever de julgar envolverá também o pronunciamento de uma sentença disciplinar em nome do SENHOR. Mt 16:19; 1 Co 5:13


Conclusão

1- Julguemos então pela reta justiça! A Escritura é a única base para a nossa moralidade.

Julgar usando outro padrão que não a Palavra de Deus é errado. Usando a Palavra de Deus, devemos julgar o pecado como sendo pecado, sabendo que o nosso julgamento estará de acordo com o julgamento de Deus no Dia do Trono Branco, pois ele também usará sua Palavra como seu padrão de julgamento. Jo 12:48

2- Cuidado com aqueles que, ao contrário de Jesus:

 Não se opõem ao pecado;

 Aprovam o pecado;

 Sancionam o pecado;

 Abençoam o pecado.


Ensinar a tolerância ao pecado é ser conivente com o erro e se posicionar contra a justiça de Deus. O pecado pode até ser aceito por leis humanas e incentivado pelos governantes e dominadores deste mundo tenebroso, mas jamais será tolerado por Deus. O pecado é tão grave que leva o pecador à condenação eterna se não houver arrependimento. Isso explica o porquê da primeira expressão do evangelho: “Arrependei-vos” - (Marcos 1:15).


SEMPRE ALERTA!

 


O Espiritualizante

Posted by BenneDen on November 16, 2017 at 10:25 AM Comments comments (0)



Na Seara do Senhor há trigo e joio, o espiritual e o “espiritualizante”.


O crente espiritual é sensato e equilibrado. Seu interior está investido de santidade e o seu exterior está revestido de humildade. Alicerçado na Bíblia, ele sabe o momento de falar e de calar, de orar e de agir; no barco da vida ele discerne quando é preciso remar ou repreender os ventos, porque vive na direção do Altíssimo.


O indivíduo “espiritualizante” é uma coisa que parece, mas não é. Ele não diferencia o natural do espiritual, simplesmente espiritualiza tudo. Não importa se a situação exige simplesmente uma resposta humana, uma palavra ou ação, esse indivíduo transfere tudo para a dimensão espiritual.

O “espiritualizante” não perde oportunidade para mostrar a todos a sua "espiritualidade" superior, por isso está sempre pronto para ensinar, pregar, profetizar, admoestar, repreender e determinar em nome do SENHOR. Mesmo vazio do Espírito e sem domínio das Sagradas Escrituras, segue falando bobagens ornamentadas de chavões religiosos, querendo transparecer que vive em profunda intimidade com Deus.


Portanto...


SEMPRE ALERTA!



Vidas Sem Forma e Vazias

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on November 12, 2017 at 9:15 PM Comments comments (1)


Vidas sem Forma e Vazias

Texto: Gn.1.1-4


Introdução:

Em Gênesis 1, temos o relato da criação.


1- A Terra era sem forma e vazia - O planeta Terra era diferente do que é agora; Deus não criou a Terra com sua forma atual de continentes e monta¬nhas, nem com animais e pessoas já habitando nela. A Terra estava sem forma definida, vazia de pessoas, animais e plantas, coberta de plena escuridão.

“Olhei para a terra e ei-la sem forma e vazia; para os céus e não tinham luz”. Jeremias 4:23

Analogia

Diante de Deus o homem natural (sem Cristo) é comparado ao estado lastimoso da terra, ou seja, muitos seres humanos estão como a terra do segundo versículo, sem forma, vazios e cobertos de trevas.

O homem natural nasce, cresce, mas falta-lhe algo; ele ainda não tem a forma que deveria ter, não é a imagem e semelhança de Deus, mas sim a imagem e semelhança de Adão; também encontra-se espiritualmente vazio. Dentro do homem natural há um abismo espiritual sem fundo.


2 – Trevas -: O cenário é de trevas sobre a face do abismo.

Uma imensa escuridão; ausência total de luz. Não era possível ver detalhes do estado do planeta naquela ocasião por causa das trevas que cobriam tudo. Somente Deus.

Analogia

Trevas - desconhecimento ou ignorância espiritual que não permite o homem natural ver, entender ou compreender o seu estado atual, sua vida interior, espiritual.

Ausência total de luz, verdade e entendimento. O perigo da perdição eterna está encoberto pelas trevas da ignorância. (2 Co 4:4).


3 – O Espírito de Deus se movia sobre a face das águas...

A presença do Espírito de Deus sobre as águas tornava possível o enchimento de vida na Terra.

Analogia

Da mesma maneira que o Espírito de Deus pairava sobre a terra assolada para transformá-la, Ele também paira sobre o homem natural a fim de operar uma oportunidade de mudança por meio do poder gerador da Palavra de Deus.

Só o Espírito de Deus pode dar vida espiritual ao homem natural. Somente o Espírito Santo pode enchê-lo da vida de Deus.


4 - “Haja luz” – Deus falou. Palavra poderosa, criadora. A luz cósmica veio pela Palavra de Deus. Tudo clareou. Agora era possível ver tudo, todos os detalhes da Terra.


Analogia

Através da Palavra de Deus acontece o renovo, a mudança, a transformação no coração das pessoas. A palavra de Deus ilumina a consciência humana.

Um dos significados de “luz” na Bíblia é conhecimento, entendimento. Começamos a ver o que está errado e que precisa ser mudado.

Então Jesus tornou a falar-lhes, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue de modo algum andará em trevas, mas terá a luz da vida. (Jo 8:12)

Jesus é a luz do mundo. É por meio dele que podemos conhecer a Deus, ver a realidade espiritual, compreender o plano de Deus para nossas vidas.

A luz veio pela Palavra de Deus. Jesus é anunciado aos homens pelo o Evangelho, a Palavra de Deus.

"Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo" (2 Coríntios 4:6).

“Deus não criou a terra para ser um caos, mas para ser habitada”  -Isaías 45.18.

Lembre-se que o evangelista precisa estar vestido do Evangelho, caso contrário suas palavras serão contratestemunho.


Conclusão:

1) Independente do seu estado moral, da sua condição espiritual, existe um Deus Criador que coloca em ordem o universo da sua vida;

2) Permita que a Palavra de Deus em conjunto com o Espírito Santo transformem a sua vida.

3) Dia após dia, Deus fará uma transformação gradual e progressiva; colocará cada coisa no seu devido lugar, e o resultado será uma nova vida, com significado e cheia da presença de Deus.



Cinco Paes e Dois Peixinhos

Posted by BenneDen on November 7, 2017 at 11:30 AM Comments comments (1)

Cinco Pães e Dois Peixinhos - Texto Chave - João 6:5-11


Introdução

Queremos destacar a atitude de um jovem seguidor de Jesus, um jovem anônimo, diante de um grande desafio ao seu redor. O jovem seguidor de Jesus não exigiu algum reconhecimento por sua atitude de bondade. Porém, mesmo no anonimato, deixou seu belo exemplo registrado na historia do cristianismo, inspirando gerações e gerações.


O que você faria se tivesse diante de 5000 homens carentes de alimentação e sua provisão fosse apenas de cinco pães e dois peixinhos?

• Você percebe a multidão com seus problemas ao seu redor?

• Você percebe que a multidão precisa de alimento espiritual?

• O que você tem feito para solucionar ou minimizar esse problema?

• O que você tem feito com aquilo que você tem?

O cenário ao nosso redor faz parte de nossa história e diante dele há sempre algo a aprender e algo a fazer.



1- O Jovem Seguidor estava perto de Jesus (Seguidor/Comunhão)

O jovem seguidor estava perto de Jesus e escutou o que Jesus disse aos apóstolos.

Os seguidores de Jesus estão próximos Dele e os que estão próximos podem ouvir a voz suave do mestre.

Muitos não ouvem a voz do Senhor porque estão distantes de Deus, com seus ouvidos e corações voltados somente para interesses pessoais.


2- O Jovem Seguidor Percebeu, Compreendeu e se sensibilizou com os Fatos ao Seu Redor. (Percepção/Compreensão/Sensibilidade)

Viu, compreendeu e se comoveu com a situação.

O crente em Jesus Cristo deve ter a percepção, a compreensão e a sensibilidade/comoção de tudo que está acontecendo ao seu redor: a crise, os problemas, os desafios... porque “as pessoas e os acontecimentos ao nosso redor fazem parte de nossa história e diante deste cenário há sempre algo a aprender e algo a fazer”.


3- O Jovem Seguidor de Jesus pensou nos outros. (Amor)

Ele poderia muito bem pegar o seu lanchinho, assentar-se embaixo de uma árvore e saciar a sua fome, mas ele não foi egoísta, não pensou apenas em si mesmo.

Tudo o que temos provem de Deus e a Ele tudo pertence. Saiba que as pessoas e os acontecimentos ao nosso redor fazem parte de nossa história e diante deste cenário há sempre algo a aprender e algo a fazer”.

Pode ser que Deus tem colocado algo em suas mãos para ajudar outras pessoas, em momentos específicos, mas você não tem percebido isso e não tem repartido as bênçãos nas oportunidades que Deus tem lhe dado.

Jesus estava esperando os elementos do milagre.


4- O Jovem Seguidor de Jesus se apresentou (Prontidão de Servir/Atitude)

O rapaz apresentou-se disposto a colaborar com a solução daquele problema... Ele colocou tudo o que tinha nas mãos de Jesus para abençoar outras pessoas; ele confiou em Jesus...

É lógico que Jesus não precisa de nenhuma atitude nossa para realizar a sua vontade, mas pela sua infinita misericórdia Ele nos da à oportunidade de fazer parte dos seus grandes projetos e milagres.




Conclusão.

1) Aprendemos que é nossa responsabilidade perceber a multidão carente e necessitada ao nosso redor e termos a sensibilidade e compaixão de apresentarmos a Jesus a nossa colaboração e contribuição a fim de que sejamos participantes do milagre de Deus.


2) Aprendemos que aquilo que julgamos pouco ou pequeno, quando é entregue a Jesus, torna-se abundante e supre toda necessidade.

Quando colocamos a nossa vida e os nossos recursos à disposição do SENHOR, o pouco é tocado pelo poder do Altíssimo, daí grandes milagres e transformações acontecem pelo poder de Deus.


Jesus quer que tenhamos uma atitude semelhante diante dos desafios e problemas ao nosso redor porque as pessoas e os acontecimentos ao nosso redor fazem parte de nossa história e diante deste cenário há sempre algo a aprender e algo a fazer.


Fogo e Altar

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on October 22, 2017 at 7:15 AM Comments comments (0)

Levítico 6: 8-13


Introdução

No texto acima entendemos que há uma relação profunda entre o FOGO e o ALTAR. O fogo precisava estar aceso, sempre, sobre o altar, para consumir o holocausto.

O sacerdote era a pessoa responsável pela manutenção diária dessa relação, tanto na manutenção do fogo, quanto na organização do altar.

1-Por que a ordenança do fogo arder continuamente sobre o Altar?

1. O fogo, dado por Deus, representava a presença de Deus no sistema de sacrifícios; Lv 9:24

2. Mostrava ao povo que, somente através do fogo de Deus é que os sacrifícios poderiam ser aceitos.


2-Dois Grandes Perigos:

Nessa missão sacerdotal havia dois grandes perigos:


1-A Negligência Sacerdotal

Um altar sem fogo não está preparado para queimar o sacrifício. Se não tiver fogo, a carne em cima do altar apodrece e só resta o mau cheiro.

Uma vida sem a presença de Deus não está preparada para ministrar perante o SENHOR.


2-O Fogo Estranho

A ministração sem a presença de Deus.

Nadabe e Abiú, filhos de Arão, tomaram cada um o seu incensário, puseram neles fogo, puseram incenso sobre ele, e trouxeram fogo estranho perante a face do Senhor, o que ele não lhes ordenara. Lv 10:1


3-A Figura Chave – o Sacerdote

Por que o Sacerdote é a figura chave para manter a relação entre o fogo e o altar? Porque a continuidade do fogo dependia da ação do sacerdote. Ele deveria executar diariamente as seguintes tarefas:

1. Levantar a cinza;

2. Acender a lenha toda manhã;

3. Colocar em ordem o holocausto.


-Remover os resíduos que ficavam sobre o altar após a queimada da madeira. Os resíduos eram removidos defitivamente.

-O sacerdote deveria ficar atento, todos os dias, para colocar lenha nova, em boa condição e em quantidade suficiente para manter o fogo aceso sobre o altar.

-Preparar o Holocausto.


4-Qual o Significado Na Nova Aliança?

Após o sacrifício e ressurreição de Jesus...

1. Os SACERDOTES, os discípulos de Jesus. Temos a responsabilidade de apresentar Deus ao povo ... E o povo a Deus. 1 Pe 2:9 – sacerdócio real

2. O FOGO passou a ser representando pelo Espírito Santo, que habita dentro de nós; Não Apagueis o Espírito 1 Ts 5:19

3. O ALTAR é o nosso próprio corpo, que é “templo e morada do Espírito Santo”. 1 Co 3:16 – Templo do Espírito

4. O HOLOCAUSTO representa o sacrifício vivo e agradável a Deus, a mortificação da nossa carne todos os dias da nossa vida. Rm 12:2 - sacrifício

5. ACENDER A LENHA. Significa manter uma devoção diária com Deus, através da oração e meditação na Palavra. Orai sem cessar – 1 Ts 5:17

6. AS CINZAS significam as sujeiras que devem ser removidas do Altar.



5- Por que alguns cristãos se tornaram frios, indiferentes e infelizes?

Por que alguns cristãos estão sem brilho, sem poder espiritual, sem vitória sobre o pecado?

1. Porque o serviço sacerdotal foi negligenciado em suas vidas; sem lenha o fogo se apaga.

2. Porque passaram a ministrar sem a presença de Deus em suas vidas, apresentando ao povo fogo estranho...

Com isso, entendemos que nós...

1. Somos responsáveis pela manutenção da presença de Deus em nossas vidas, de forma contínua e constantemente.

2. Somos responsáveis pelo sucesso de nosso serviço e ministério.


Conclusão

O resultado dessa Missão Diária é a certeza de que sempre haverá fogo no Altar, ou seja, a presença de Deus em nossa vida.

O fogo arderá continuamente sobre o altar; não se apagará.

Que o Senhor nos abençoe.



Vencendo a Crise

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on January 1, 2017 at 7:45 AM Comments comments (0)

Texto de Apoio: Lucas 5:1-11


Introdução - A Vida Debaixo do Sol

 Muitos não admitem a escassez, a dor, as batalhas e as perdas...

 Muitos só aceitam o esplendor, as conquistas e a felicidade.

 

Precisamos entender que neste mundo, flores e espinhos, sorrisos e lágrimas fazem parte da realidade daqueles que foram expulsos do Paraíso.

Os momentos felizes, ainda que prazerosos e inesquecíveis, são raros e breves, exceções em nossa jornada debaixo do Sol. Somente na glória celestial o extraordinário será eternizado.

Estamos vivendo tempos difíceis, de crises em todos os segmentos da vida. Precisamos aprender a viver esse tempo com sabedoria e fé.

Análise da Narrativa Bíblica

Pedro e os seus colegas de trabalhos eram pescadores experientes, talentosos e capacitados. Mas, aquela noite foi um fracasso em suas vidas. Eles trabalharam a noite toda e o resultado foi um desastre. Eles estavam cansados, sem recursos e sem perspectivas.

 

Uma Analogia

Você pode ser um bom conhecedor de seu próprio negócio, de seu trabalho e de sua vida, mas, quando uma crise avassaladora chega os seus conhecimentos sucumbem e os seus recursos naufragam com a crise.

 

Há problemas prolongados e complexos que extrapolam nossas habilidades e forças; há situações que exigem um poder maior, o sobrenatural, uma intervenção divina, um milagre.


 

I – OS PESCADORES DIANTE DO FRACASSO

Como você se comporta diante de uma crise? E quando a crise leva você ao fracasso?

Os pescadores...

1.1 – Desceram do Barco

1.2 – Lavavam as redes de pesca

 

Os pescadores desistiram de seu projeto depois de esgotadas as tentativas.

 

 Todos nós temos limites pessoais que sinalizam até onde podemos ir;

 Além disso há limitações externas que estão acima de nosso potencial e impedem totalmente o nosso sucesso.

 

O Mar não estava para peixe... O que fazer?

• Gemer, murmurar e... desistir?

• Orar, perseverar e aguardar em fé?

 


II – ATITUDES DE JESUS EM RELAÇÃO AOS PESCADORES

Deus intervém na vida humana em atos soberanos de sua vontade e em atos responsivos de nossas orações.

2.1 – Jesus observou os pescadores

2.2 – Jesus entrou no barco de Pedro

2.3 – Jesus pregou a palavra de Deus

 

Deus fala aos homens de diversas modos, usando meios naturais e espirituais. Lamentavelmente nem todos se apercebem disso porque seus ouvidos estão em sintonia com outras vozes, outras prioridades. A Palavra de Deus tem o poder de criar e destruir...


III – RECEBENDO UMA PALAVRA ESPECÍFICA

3.1 – Faze-te ao mar alto

3.2 – Lançai as vossas redes

A Palavra de Deus não é anunciada para aumentar o nosso conhecimento, mas para mudar a nossa vida.

O Mar era o mesmo, as redes de pesca, o barco e os pescadores. Havia um fator agravante: os pescadores estavam muito cansados e frustrados. Todas as circunstancias eram contrárias e Jesus, um carpinteiro, obviamente não parecia ser a pessoa mais indicada para ensinar pescadores habilidosos, a pescar. Além disso...

Nessas condições, a pesca em mar alto é uma tarefa que envolve muito esforço diante da incerteza de sucesso; grandes riscos quanto à segurança dos pescadores.

Aqui aprendemos algumas lições preciosas:

1) Nunca julgue pelas aparências ou pelo natural – Is 53:2 – Cosmovisão Divina;

 

A maioria prefere ouvir os homens famosos; eu prefiro ouvir os homens de oração, que têm vida com Deus, que silenciam tanto o ego que só conseguimos escutar a voz de Deus.

Is 53: 2 “...e como raiz que sai duma terra seca; não tinha formosura nem beleza; e quando olhávamos para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos”.

2) Você pode ter controle sobre o barco e sobre a rede, mas quem tem poder sobre o mar, sobre os peixes, sobre a sua vida e sobre toda a criação é JESUS CRISTO. (Cl 1:16);

3) Há situações em que o nosso melhor não é suficiente. Você pode ser o melhor, o mais experiente e conhecer todas as estratégias de vitória, mas não poderá prevalecer diante do humanamente impossível. Necessário se faz um milagre;

4) Quando o SENHOR dá uma palavra de ordem, o mar pode ser o mesmo, o barco e as redes de pesca; os trabalhadores podem estar desanimados, cansados e sobrecarregados, mas a palavra de Deus não volta vazia (Is 55:11). Jesus lhe abençoa onde você está; Ele abençoa usando o que você tem e o que você sabe e é capaz de fazer.

Fato 1: D.L. Moody foi um homem totalmente comum, um sapateiro de Boston que falava errado, pregava usando palavras muito simples, era pobre, sem estudos e tinha uma cultura muito limitada, revolucionou a igreja no Século XIX.

Fato2: William Seymour, filho de escravos, pobre, cego de um olho, foi o precursor do pentecostalismo em 1906 na Rua Azuza em Los Angels, Estados Unidos.


IV - A REAÇÃO DE PEDRO

4.1 - Humildade – Não questionou, não desprezou,

• Quebrantamento

• Esvaziamento

Sl 51: 17 O sacrifício aceitável a Deus é o espírito quebrantado; ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.

4.2 - Fé – “Sobre a Tua Palavra” – Ele acreditou na pessoa de Jesus Cristo.

• Confiança espiritual

• Obediência

 

Existe uma conexão entre nós e aquilo que focamos, seja por desejo, fé, preocupação ou medo. Se nosso foco for a tempestade, o medo nos dominará até sermos tragados pelas correntezas; se nossa mirada for em Jesus, seremos cheios de fé até caminharmos sobre as águas.


V – A BÊNÇÃO ALCANÇOU OS QUE ESTAVAM PERTO

3.4 – Fizeram sinal aos outros companheiros

 

O milagre na vida deles foi tão grande, que não somente eles foram abençoados, mas também aqueles que estavam ao seu redor.

Pedro, Tiago e João encheram os seus barcos, mas também aqueles que estavam por perto.

 

Quando você está debaixo da cobertura espiritual de Jesus Cristo a bênção do SENHOR lhe acompanhará; em todo lugar que você passar, vai deixar o rastro da mudança e muitos serão abençoados.


 

CONCLUSÃO

1) A presença de Jesus Cristo muda qualquer situação. Da escassez à fartura, da crise à celebração.

Crises são tempos difíceis, mas em Cristo são transformadas em oportunidades de amadurecimento, crescimento, conquista e júbilo! Quando o SENHOR está presente os milagres serão sempre maiores do que os problemas, as crises e as tempestades da vida.

Não o mundo, não os governos, não a economia, não as circunstâncias, não o destino, não a aleatoriedade, não os homens, não o diabo, MAS Deus é o Construtor da história de seu povo.

Com Cristo podemos celebrar! Ainda que Jesus tenha que transformar água em vinho, repreender ventos e acalmar tempestades, multiplicar pães, expulsar demônios, curar enfermos ou ressuscitar mortos. Ele é o SENHOR, nossa força, sustento, nossa bandeira, escudo, protetor, defensor, fortaleza, advogado, refúgio, conselheiro, pastor, mestre, libertador, mantenedor, galardoador, salvador e Deus.

2) A presença de Jesus Cristo mudou a vida de Pedro. Jesus chamou Pedro para uma nova missão: Pescador de homens.

Jesus não rejeita o pecador que reconhece a sua condição espiritual. O SENHOR recebe o pecador confesso e mostra a Pedro a vontade do Pai para a sua vida: Pescador de vidas humanas.

 

Deus usa a crise para fazer uma chamada, uma convocação.

 

Às vezes é preciso uma crise para termos nossa atenção despertada. Deus permite: escassez, dor e sofrimento, visando um bem maior.


 

Com Cristo Vencemos qualquer Crise!

A pesca milagrosa pode começar agora onde você está! Quebrante-se, submeta-se, creia e obedeça; sob a palavra de Jesus lance seus esforços em fé! Sua vida nunca mais será a mesma!

 

 

 

 

 


Caminhos do Homem X Caminho de Deus

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on December 19, 2016 at 10:35 AM Comments comments (0)

 

Introdução

No Éden a vontade de Deus foi substituída pela vontade humana e, a partir daí, a humanidade passou a seguir os caminhos do coração.

 O primeiro Adão, o terreno, fracassou ao deixar de fazer a vontade de Deus para seguir os caminhos do seu próprio coração.

 

 O segundo Adão, o celestial, Jesus Cristo, permaneceu fiel até o fim, vivendo em perfeita obediência, seguindo a vontade do Pai. Jo 4:34; 6:38

Aqueles que estão ligados somente ao primeiro Adão, seguem guiados pelos caminhos do coração, mas aqueles que se unem a Jesus pela fé, renunciam a sua própria vontade, abandonam a prática do pecado e passam a viver em simplicidade e contentamento, seguindo os propósitos do SENHOR.

(2 Co 5: 15" "... e ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou".


I- Somos Seres Influenciáveis

É importante lembrar que somos seres sociais, plenamente influenciáveis, que nossa personalidade é propensa ao meio. Há uma tendência natural de sermos um pouco (ou muito) do contexto em que desenvolvemos os nossos relacionamentos sociais.


A Bíblia adverte sobre:

 

  • – A influência de más companhias - As más companhias corrompem os bons costumes – (1 Co 15:33 ;Sl 1:1). Um pouco de fermento leveda toda a massa (Gl 5:9 ; Lv 19:31).
  • - A influência da multidão – A voz do povo não é a voz de Deus (Mt 27:20) .Não seguirás a multidão para fazeres o mal; nem numa      demanda darás testemunho, acompanhando a maioria, para perverteres a justiça – Ex 23:2
  • - A influência do mundo - Cuidado também com o Mundo (o meio maior). Não se amolde ao sistema, porque ele é anti-Deus.

 

 

E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Rm 12:2. 

 

II - O Destino dos Que Seguem os Caminhos do Coração

A notícia ruim é que "aqueles que seguem os caminhos do coração", não podem agradar a Deus e não entrarão no Reino de Deus; serão julgados por suas obras e condenados por toda a eternidade.

 

Quem busca “ganhar” uma felicidade sem Deus, seguindo os desejos do coração, vai perder a verdadeira felicidade eterna; mas aquele que, por amor a Cristo, renuncia a busca da felicidade carnal, para fazer a vontade de Deus, vai receber a vida eterna (Lc 9:24).


 

III- O Convite de Deus

Todos querem ser felizes seguindo os caminhos do coração. Mas, felicidade sem Deus é uma mera ilusão.

 

Deus convida o homem a reverter a decisão do Éden, de modo que cada um, de livre e espontânea vontade, deixe de seguir os caminhos do coração e volte-se para Deus, fazendo o Seu querer.

(Pv 23: 26) "Filho meu, dá-me o teu coração; e deleitem-se os teus olhos nos meus caminhos". 

 

O Destino dos Corações Endurecidos

Sl 81: 12 Pelo que eu os entreguei à obstinação dos seus corações, para que andassem segundo os seus próprios conselhos.

 

IV - O Esforço Individual

Instrução/Disciplina

Pv 23: 12 Aplica o teu coração à instrução, e os teus ouvidos às palavras do conhecimento.

Coração Quebrantado

Sl 34:18 Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.

 

 

Conclusão

Jesus é o Caminho. Ele é o Caminho para a humanidade. Seja um discípulo de Jesus Cristo. Esteja unido a Ele pela fé, seja totalmente influenciado pelos os seus ensinamentos e exemplo de vida.

Lembre-se: o Caminho certo leva ao destino certo, ao Pai Celestial.

Pense Nisso!

 

 


Fiel a Deus Sempre

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on October 11, 2016 at 10:55 AM Comments comments (0)

 


Introdução

Lamentavelmente, observamos que a nossa geração prefere um cristianismo indolor, sem cruz e sem espinhos. Mas, sem o Calvário não haveria salvação.

Infelizmente é necessário passarmos por provas, dores e sofrimento nesta vida. Mesmo sem entendermos detalhes, sabemos que essas provas e esses momentos difíceis contribuem para o nosso bem, quebrantam o nosso orgulho, fortalecem o nosso caráter e testemunham o poder de Deus.


“Foi bom ter passado por aflição, para que aprendesse os teus decretos (estatutos, mandamentos, ordem)” Salmos 119:17

Na dificuldade, buscamos mais ao SENHOR, aprendemos mais de Deus e isso faz muito bem a nossa vida espiritual.

Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco, então é que sou forte. 2 Coríntios 12:10


As lutas nos levam à oração, à súplica; fazem-nos chegar mais perto de Deus.

A aflição, a tribulação, os problemas e as dores imprimem mais do caráter de Deus em nós; fazem-nos reavaliar a vida e os seus reais valores .

Como adorar a Deus quando tudo está ruim?


 

I – LOUVOR EM MEIO A DESTRUIÇÃO

Duas vezes o próprio Deus afirma que Jó era sem igual (Jó 1.8; 2.3).

Pouco depois da perda de seus bens e de todos os filhos, Jó perdeu a saúde. A doença era tão grave que o obrigava a pensar na morte. Ele portava “feridas terríveis, da sola dos pés ao alto da cabeça”, raspava-se com um caco de louça e ficou tão desfigurado que seus amigos não puderam reconhecê-lo e começaram a chorar em alta voz diante daquele quadro aterrador (2.12-13).

O mal de Jó, mais do que uma cena de sofrimento e decadência, ecoava como um gritante paradoxo teológico na cabeça de todos que o cercavam.

• Como um homem extremamente correto, inculpável, íntegro, irrepreensível, justo, precavido, reto e temente a Deus (Jó 1.1) podia sofrer tanto?

• Como um homem especial, fora de série, um exemplo impressionante em sua época e em nosso tempo, perdeu todos seus bens, filhos e a própria saúde?

O homem de Uz, Jó, era sem igual em tudo, inclusive diante da perda, do sofrimento, da dor, da miséria, da destruição. Jó era irrepreensível.

 Apesar das perdas

 Apesar da dor física e emocional

 Apesar da solidão

 Apesar do Diabo marcar colado

 Apesar das discurseiras de seus amigos - lifaz, Bildade e Zofar —

 Apesar da arenga de Eliú

 Apesar de Deus parecer ausente

 

“Eu sei que o meu Redentor vive, e que no fim se levantará sobre a terra” (19.25).

Assim como Jó, estamos sujeito às calamidades, situações difíceis. Não necessariamente da mesma forma, mas com a permissão de Deus, passarmos por dificuldades para crescermos como pessoas, amadurecermos, sermos aprovados e testemunharmos os poderosos feitos do SENHOR.

Jó perdeu tudo e foi forte em resistir tudo. Psicologicamente e fisicamente qualquer homem poderia se entregar e murmurar, mas Jó foi fiel... Mesmo em meio à perda e dor, Jó confiou em Deus e venceu.


 

II - LOUVOR EM MEIO À PRISÃO

Açoitaram Paulo, atiraram-no na prisão e o acorrentaram a um tronco. Em vez de se queixar por aquela situação miserável em que se encontrava, ele passou a noite louvando a Deus por meio da oração de gratidão e de hinos.

“De repente sobreveio, tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces da prisão; abriram-se todas as portas, e soltaram-se as cadeias de TODOS” (Atos 16:26)

 

Deus permite que o Seu povo passe por provações a fim de que possa servir de testemunho para aqueles que ficam observando a nossa reação. (...) Para que eles possam ver a glória de Deus manifestar-se quando a nossa sorte for mudada.

Por volta de meia noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam.

A nossa vitória testifica de forma poderosa quando as pessoas veem o nosso sofrimento e mesmo assim percebem a nossa fidelidade a Deus. Sem desespero, mantemos a fé e aguardamos debaixo da graça de Deus.

Deus respondeu ao apóstolo de um modo assombroso: ele sacudiu as fundações da prisão tão violentamente, que todas as portas se abriram e as correntes caíram dos pés e punhos dos prisioneiros.


 

III- O MAIOR EXEMPLO DE SACRIFÍCIO DE LOUVOR

A única vez que a Bíblia relata que Jesus cantou foi na noite em que foi traído (Mateus 26.30), na mesma ocasião em que menciona que sua alma estava profundamente triste.

Louvar diante de um grande sofrimento é um ato de fé: fidelidade e confiança.

GETSÊMANI - Lagar do Azeite ou prensa de óleo

A força de um homem não é vista quando tudo está bem, mas quando ele é levado ao lagar do azeite, à prensa de óleo. Como Jesus se comportou?

Jesus se entregou ao Pai. Que a vontade do Pai fosse feita. Louvou ao Pai por Ele estar no comando de sua vida e que seja feita a vontade Dele.

E Ele foi prensado, ferido por nossas transgressões! Ele foi o verdadeiro fruto da Oliveira...


IV – CONTENTAMENTO – Uma Aprendizagem

Paulo afirma: “Aprendi a viver contente (… já tenho experiência”(Fp 4.11-12).

1- Confiança na providência de Deus

Tudo já está sob controle, nas mãos de Deus. Através de sua providência, Deus governa todas as coisas para cumprir seus propósitos.

A confiança e a paz vem quando aprendemos que Deus é soberano, não apenas pela intervenção sobrenatural, mas também pela orquestração natural.

Pense na complexidade do que Deus está fazendo a todo momento, apenas para nos manter vivos. Quando olhamos as coisas sob esse prisma, percebemos que insensatez é pensar que podemos controlar nossa vida.


2- Satisfação com pouco.

“Porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado” (Fp 4.11-12).

Paulo aprendeu. Temos que aprender também.

Paulo mantinha seus anseios e desejos controlados, sem confundi-los com suas necessidades.

As pessoas de nossa geração não estão contentes. A experiência demonstra que, quanto mais as pessoas têm, mais descontentes estão. Isso acontece porque confundem desejos e anseios com necessidades. Os desejos humanos são inumeráveis, mas as necessidades não. Nossas necessidades são simples: alimento, vestimenta, abrigo e santidade.

Se os desejos forem controlados e as necessidades atendidas, veremos que podemos ser felizes com pouco porque a felicidade não está em ter em excesso, mas no contentamento, ou seja, sentir-se bem sem precisar de muito.


 

Conclusão

1- Não permita que as circunstâncias o perturbem ao ponto de comprometer a sua fidelidade a Deus. Esteja confiante na providência soberana de Deus. Em vez de sucumbir diante do pânico, apegue-se à promessa de Romanos 8.28:

“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”.

Considere esse versículo um salva-vidas espiritual para o restante de sua vida.

2- Resista à tendência materialista e egoísta desta geração de possuir sempre, com o contentamento, satisfazendo-se com pouco e sendo confiante em Deus, onde todas as suas necessidades são supridas.

 

3- Fique firme na fé e saiba que tudo passa debaixo do Sol.

“A nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas”. 2Co 4.17-18.

O Descanso que Desagrada a Deus

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on September 27, 2016 at 8:10 AM Comments comments (0)

ACOMODAÇÃO - O Descanso que Desagrada a Deus


Introdução

Sabe qual é o maior erro que os cristãos têm cometido no tempo do fim? A acomodação. Em vez de uma militância concentrada pregando o Evangelho, os cristãos descansam. Mas, a acomodação é o descanso que desagrada a Deus.

Muitos começaram ativos, não faltavam às reuniões, evangelizavam e estavam dispostos a fazer qualquer coisa na igreja. Porém, com o passar dos anos, foram esfriando no zelo, no compromisso, na prática, e deixaram de trabalhar na Seara ou passaram a servir esporadicamente e relaxadamente.

Estamos diante de uma geração que descansa na hora de maior necessidade de trabalho. Nunca tivemos tanto “ex” na igreja: ex-pastores, ex-diáconos, ex-trabalhador, ex-obreiro, ex-membro, etc.

 

Como pode uma geração de crentes espiritualmente prostrada?


 

1- Acomodação – Sonolência e Inércia Espiritual.

A acomodação é um estado de sonolência espiritual, onde o cristão deixa de vigiar, de discernir, de ter envolvimento ministerial, perdendo gradativamente o interesse pelas coisas da igreja, sonhando somente com a sua vida neste mundo, buscando somente as realizações pessoais.

Na Bíblia, há muitas advertências para que nos mantenhamos em constante vigilância:

Efésios 5:14 nos diz: “Desperta ó tu que dormes”.

Mateus 26.41: “Vigiai e orai para que não entreis em tentação”.

Marcos 13: 33 - Olhai! vigiai! porque não sabeis quando chegará o tempo.

Romanos 13:11 – E isso fazei, conhecendo o tempo, que já é hora de despertardes do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando nos tornamos crentes.

I Tessalonicenses 5:6 - não durmamos, pois, como os demais, antes vigiemos e sejamos sóbrios.

1 Pedro 4:7 - Mas já está próximo o fim de todas as coisas; portanto sede sóbrios e vigiai em oração.

Bem-aventurados aqueles servos, aos quais o senhor, quando vier, achar vigiando! Em verdade vos digo que se cingirá, e os fará reclinar-se à mesa e, chegando-se, os servirá. Lc 12:37


2- Acomodação – O Descanso que Desagrada a Deus

Não há nada mais perigoso do que a acomodação espiritual. Por quê

• Porque a acomodação nos deixa desatentos e preguiçosos;

• Porque ficamos enfraquecidos e caímos em cativeiro espiritual;

• Porque perdemos espaço para o inimigo e passamos a ter uma vida espiritual medíocre.

• Além de perdermos a vida abundante, o sobrenatural de Deus, perdemos o privilégio de servir ao Senhor, de sermos úteis em sua obra, mas principalmente perdermos o que Deus tem para nós na sua vinda gloriosa.

• A acomodação é algo progressivo e contagioso (influencia os outros).

Mas Jesus lhes respondeu: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. Jo 5:17

Porque vos lembrais, irmãos, do nosso labor e fadiga; pois, trabalhando noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós, vos pregamos o evangelho de Deus. 1 Ts 2:9

Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; pois neste, Deus, o Pai, imprimiu o seu selo. Jo 6:27

Importa que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; vem a noite, quando ninguém pode trabalhar. Jo 9:4


3- Os cristãos acomodados não diferem muito de pessoas não cristãs.

 

Os acomodados vivem um cristianismo indolor, sem lutas, sem sofrimento, sem trabalho. O acomodado segue o cristianismo de forma autônoma, independente, sem compromisso, como expectador de um auditório gospel onde só espera alegria, bênção e descanso.

• Os acomodados preocupam-se mais pelo seu bem-estar, em seus interesses pessoais, lazer e coisas afins. Eles pensam que vestindo-se bem e freqüentando uma igreja aos domingos, estão dentro dos padrões bíblicos para os discípulos de Cristo.

 

• Os cristãos acomodados são pessoas que não mudaram totalmente suas vidas para Cristo, que servem a Deus de modo próprio.

 

• Os acomodados ouvem o que lhes é agradável ouvir: a pregação que lhes diz que Deus é amor, que Deus prospera seus filhos, que nada prevalecerá contra o povo de Deus, etc.

 

Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências. 2 Timóteo 4:3.


 

O acomodado:

 

• Não sente a necessidade de evangelizar.

• Não se importa que uma alma é salva ou perdida.

• Não sente o peso da responsabilidade cristã.

• Perdeu o prazer da comunhão dos santos.

• Não sente vontade de crescer espiritualmente.

• Falta interesse em testemunhar.

• Falta interesse em se envolver em um ministério.

• Falta vontade de frequentar as reuniões da igreja.

• Negligência na leitura bíblica.

• Negligência na oração.

• Falta interesse em contribuir, dizimar.

• Desmotivado pela volta de Cristo.

• É super motivado para as coisas extra igreja.

 


Como é triste ser um cristão acomodado! Sua vida não é muito diferente de um não cristão.


 

4- Deus Desperta o Acomodado

“Levanta-te dentre os mortos” – Ef 5:14

Deus vê o acomodado “descansando” dentro de uma cova, dentre os mortos.

Vivemos um tempo de cristianismo acomodado, indefinido, meio morto, sem compromisso… No Apocalipse 3:16, há uma séria advertência de Jesus aos que vivem assim: “Porque não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca”.

Acomodação é um estado de Cativeiro Espiritual que leva à morte espiritual.

Deus chama, desperta, convoca... Não é do interesse de Jesus que os seus discípulos fiquem descansando em tempo de batalha.

É preciso sair da cova, dessa condição de morto, de ociosidade. O acomodado tem que tomar uma atitude de OBEDIÊNCIA e sair da cova.


Mão no Arado – Terapia ocupacional. Lucas 9:61; Marcos 16:15 – I Pedro 1:21. Sair da Inércia e envolver-se na Obra. Segurar o Arado e manter-se em constante atividade, envolvendo-se com os assuntos do Reino.

Siga o conselho do Senhor Jesus: “Minha comida e bebida é fazer a vontade do Pai”. João 4:32 a 34.


 

 

5- O Sair da Acomodação Traz Bênção

 

E Cristo te iluminará. Ef 5:14; João 15:5. I João 2:27.


Quanto mais distantes de Deus ficamos, mais corretos nos achamos; porém, quanto mais nos aproximamos, mais percebemos nossas fragilidades, nossos pecados, nossa total dependência Dele, Tiago 4:8.

 

O profeta Isaías viu a glória de Deus e então percebeu: “Ai de mim”, Isaías. 6:5.

 

Pedro estava pescando quando Jesus se aproximou e se achou indigno, disse: “Retira-te de mim”. Lucas 5:8.

 

Quem obedece ao despertamento e sai da cova dos mortos, tem a promessa de receber a “iluminação”, o entendimento, a revelação divina.

• Assim despertados somos abençoados com o entendimento.

• Assim despertados podemos despertar outros.

• Assim despertados podemos pregar o Evangelho.

• Assim despertados podemos viver para Deus.

• Assim despertados podemos aguardar o Senhor na Sua vinda e com certeza desejar a sua volta, orar por ela, ansiar por ela, pensar nela constantemente, sabendo que estamos preparados para receber o REI.


Conclusão

“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (1 Coríntios 15:58). Jesus está voltando, você está pronto?

 


A Quem Ouvirei

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on August 31, 2016 at 10:15 AM Comments comments (0)


Vox Dei, Vox Diaboli, Vox Populi e Ego Vocem


 

Introdução

Por volta do ano 600 a.C. o profeta Jeremias recebeu a missão de ficar na porta do Templo de Jerusalém e anunciar uma palavra de juízo ao povo de Deus. Os judeus insistiam em não ouvir ao SENHOR, acolhendo em seus corações outras vozes, falsas e enganosas, trazendo infidelidade e idolatria a Israel. Por conta disso o povo sofreria trágicas consequências, inclusive a perda de suas terras. Jr 7:1-20ss

 

A quem você tem ouvido?

Ao nosso redor há milhões de vozes, abrangendo todos os segmentos da vida. Cada uma delas nos direcionando para algum lugar, algum tipo de comportamento e estilo de vida.


 

  1. O que você ouve pode lhe influenciar para o bem ou para o mal.
  2. O que você ouve pode estabelecer o seu sucesso ou fracasso na vida.
  3. Quem você OUVE governa a sua vida.
  4. O que você OUVE determina o seu destino eterno.

 

 

Um cristão não deve dar ouvidos a quem não tem nada de Deus, nada abençoador e verdadeiro para dizer. (Salmo 1)

 

 

O QUE É OUVIR?

Dar ouvidos é mais do que escutar. É mais do que perceber e entender sons e palavras. 

É valorizar o que se ouve ao ponto de obedecer. Coração e mente acolhem com profunda devoção as palavras ouvidas, dando-lhes o devido respeito, valor e confiança.

 

1.1) Somos o que ouvimos e cremos ao longo dos anos.

Palavras ouvidas formam conceitos, padrões, crenças; influenciam e formam nosso caráter e estilo de vida.

1.2) As Palavras Ouvidas tornam-se patrimônio do Ouvidor. São absorvidas pelo caráter e expandidas por toda a personalidade do indivíduo.

 

Suas preferências, gostos, escolhas, valores, projetos e decisões estão fundamentadas sobre o que você ouviu e deu ouvidos ao longo de sua existência.


 

O QUE É POSSIVEL OUVIR?

Como já dissemos, ao nosso redor há milhões de vozes, abrangendo todos os segmentos da vida. Cada uma delas nos direcionando para algum lugar, algum tipo de comportamento e estilo de vida. Mas, nesta breve mensagem queremos analisar QUATRO fontes bem definidas de vozes que podem exercer forte influência sobre a sua vida: Ego Vocem, Vox Populi, Vox Diaboli e Vox Dei.

 


A MINHA VOZ – EGO VOCEM

Mas não ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos; porém andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração malvado; e andaram para trás, e não para diante.Jr 7:24. 17:9

• Voz Enganosa – O que você pensa é o certo/melhor – desvaloriza as opiniões

• Voz Corrupta – Tendenciosa ao pecado.

• Induz à autossuficiência, a uma atitude independente.

 


A VOZ DOS OUTROS – VOX POPULI

• Diversidade, pluralidade

• Humanismo

• Induz à adequação na maioria

 


A VOZ DO DIABO = VOX DIABOLI

• Sedutora - Atrai – desperta interesse, ilude, seduz.

• Mentirosa – Aprisiona e manipula – com dúvidas e propostas.

• Anti-Deus - Induz à desobediência.

• Mortal

 


A VOZ DE DEUS = VOX DEI

• Verdadeira

• Abençoadora

• Vivificante – dá vida.

 

Podemos OUVIR a voz de Grandes Líderes, de pessoas que amamos, a voz da multidão ou a voz de nosso coração. Mas, todas as vozes estarão fundamentadas em apenas 2 premissas: a Verdade e a Mentira!


 

OUVINDO A MENTIRA

Mentira é o engano em suas múltiplas formas.

• A Mentira pode ser apresenta sob um número infinito de possibilidades, versões, interpretações, ilustrações, omissões, acréscimos, desvios, etc.

• A Verdade é uma só, única, singular, pura. Nada mais, nada menos.

 

A mentira tem inúmeras variáveis que transitam da meia verdade aos excessos escandalosos de histórias inventadas. Notícias, crenças, sonhos, projetos e estilos de vida podem estar fundamentados em mentiras.

 

Entre os que ouvem a mentira estão:

 

  • Os enganados – pessoas que ouvem e seguem a mentira porque foram enganados;
  • Os devotos da mentira – pessoas que amam as fantasias, ilusões. Para eles dar ouvidos à mentira é algo mais emocionante, atrativo e promissor.

 

 

1. Pela mentira o homem é desviado de sua vocação, chamado e missão.

2. Pela mentira o homem é afastado de Deus e do Salvador Jesus. 

3. Pela mentira corremos atrás do vento, da felicidade terrena inexistente.

4. Pela mentira fingimos, traímos, roubamos e matamos. 

5. Pela mentira trocamos Fé por crenças, Espiritualidade por religião.

6. Pela mentira alimentamos o ego, calamos a consciência e extravasamos a carnalidade. 

7. Pela mentira queremos aproveitar cada segundo da vida ainda que fora da vontade de Deus.

8. Pela mentira o mundo torna-se o nosso céu e a vida passageira a nossa eternidade.

9. Pela mentira ouvimos a Satanás. Seguimos os seus conselhos e nos tornamos seus escravos.

10. Pela mentira o homem será condenado ao inferno.


 

ONDE ESTÁ A MENTIRA? 

Todas as vozes do mundo são enganosas ou ilusórias. Algumas não são necessariamente falsas ou más, porém todas elas nos desviam da verdade Deus.

 

Para aqueles que um dia ouviram e acolheram a Verdade, OUVIR novamente a mentira é retroceder ao Império das Trevas, romper definitivamente com Deus, apostatar da fé e selar o destino eterno na perdição do inferno.

A apostasia vem por OUVIR a espíritos enganadores – I Tm 4:1


Vox Diaboli

Fico perplexo e indignado com a sagacidade de Satanás. Como convenceu Eva a agir por conta própria, transgredindo o mandamento de Deus? O que trouxe para “barganhar” o preço da desobediência? Ele não trouce nada e não deu nada a Eva. Satanás veio somente com sua astúcia e usou “algo” existente no ambiente de Eva: o furto da árvore do conhecimento do bem e do mal.

Bem, muita coisa mudou de lá para cá, os tempos são outros, mas a velha estratégia do diabo continua em plena militância e eficácia, seduzindo corações e destruindo vidas. O inimigo continua usando simplesmente algo que existe em nosso contexto social, no meio em que vivemos, como instrumento de cobiça e pecado: o vizinho, o colega de classe, a internet, a televisão, a academia, o hobby, o trabalho, o dinheiro, qualquer coisa ao nosso redor, de nosso convívio. Ele nada traz e nada oferece aos humanos. Tão somente muda o olhar de suas vítimas para o que é proibido e, com sua astúcia, direciona seus pensamentos e desejos para que ajam contrariamente a Deus e a seus mandamentos.

 

ONDE ESTÁ A VERDADE? Em Deus - Na Bíblia Sagrada!

A verdade está na Bíblia Sagrada, no Evangelho de Jesus Cristo! Jo 17:17. Em JESUS – Jo 14:6 

A Bíblia é o Manual do Criador para o Homem.

A bússola, o mapa, GPS do cristão.


 

A NATUREZA DA PALAVRA DE DEUS.

Is 55.10,11 “Porque, assim como descem a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, mas regam a terra e a fazem produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come, assim será a palavra que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia; antes, fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a enviei.”

(1) Refere-se a tudo quanto Deus tem falado diretamente.

(2) Além da fala direta, Deus falou através dos profetas.(Hb 1:1)

(3) Tudo quanto Jesus falava era palavra de Deus. Jesus está tão estreitamente identificado com a palavra de Deus que é chamado “o Verbo da vida” (Jo 1.1,14; 1 Jo 1.1; Ap 19.13-16).

(4) A palavra de Deus é o registro do que os profetas, apóstolos e Jesus falaram, i.e., a própria Bíblia. (2 Pe 1:21)

(5) Mesmo não estando no mesmo nível das Escrituras, a proclamação feita pelos autênticos pregadores, na igreja de hoje, pode ser chamada a palavra de Deus. (2Tm 4.2).


O Poder da Palavra de Deus

 

(1) A palavra de Deus é criadora. Segundo a narrativa da criação, as coisas vieram a existir à medida que Deus falava a sua palavra (Gn 1.3,4,6,7,9; Sl 33.6, 9; Hb 11.3; 2Pe 3.5).

(2) A palavra de Deus sustenta a criação. Deus sustenta “todas as coisas pela palavra do seu poder” (Hb 1.3; Cl 1:17; Sl 147.15-18

(3) A palavra de Deus tem o poder de gerar fé no coração do homem. (Rm 10:8;17)

(4) A palavra de Deus tem o poder de outorgar vida nova. Nascemos de novo “pela palavra de Deus, viva e que permanece para sempre” (1Pe 1.23; cf. 2 Tm 3.15; Tg 1.18. É por essa razão que o próprio Jesus é chamado o Verbo da vida (1 Jo 1.1).

(5) A palavra de Deus preparo o homem para toda boa obra. (2 Tm 3:16-17)

(6) A palavra de Deus é a arma para lutarmos contra Satanás (Ef 6.17; Ap 19.13-15). Jesus derrotou Satanás, pois fazia uso da Palavra de Deus: “Está escrito” (Lc 4.1-11; Mt 4.1-11).

(7) Finalmente, a palavra de Deus tem o poder de nos julgar. Jesus assegurou que a sua palavra condenará os que o rejeitarem (Jo 12.48. E o autor aos Hebreus escreve que a poderosa palavra de Deus julga “os pensamentos e intenções do coração” (Hb 4.12).


 

NOSSA ATITUDE ANTE A PALAVRA DE DEUS.

No Aspecto Pessoal

• Ansiar por ouvi-la (1.10; Jr 7.1,2; At 17.11) e procurar compreendê-la (Mt 13.23).

• Amá-la (Sl 119.47,113), e dela fazer a nossa alegria e deleite (Sl 119.16,47).

• Guarda-la nas profundezas de nosso coração (Sl 119.11). Habitar ricamente em nós (Cl 3:16).

• Unida com a fé. (Hb 4:2); Confiar nela (Sl 119.42), e colocar a nossa esperança em suas promessas (Sl 119.74,81,114; 130.5).

• Aceitar o que a palavra de Deus diz (Mc 4.20; At 2.41; 1Ts 2.13), Obedecer ao que ela ordena (Sl 119.17,67; Tg 1.22-24) e viver de acordo com seus ditames (Sl 119.9).


No Aspecto Ministerial

• Deus conclama os que ministram a palavra (1Tm 5.17) a manejá-la corretamente (2Tm 2.15), e a pregá-la fielmente (2 Tm 4.2).

 Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus ... (1 Pe 4:11)

• Todos os crentes são convocados a proclamarem a palavra de Deus por onde quer que forem (At 8.4).


 

Conclusão

Jr 22:29 - Ó terra, terra, terra; ouve a palavra do Senhor.

Ap 2:29 - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito dia às igrejas.

• A igreja precisa dar ouvidos a Deus; ouvir o que o Espírito diz às igrejas (Ap 2:22)

• Depois de ouvir a Deus e acatar a sua Palavra, a igreja precisa sair do silêncio indiferente e conivente e anunciar a Palavra de Deus ao mundo caído.

Diante da mentira fale a verdade. Aos pecadores pregue arrependimento; aos arrependidos pregue o perdão. Na batalha, tenha uma palavra de ânimo, na tristeza, uma palavra de consolo, na alegria, tenha uma palavra de celebração. Em todas as ocasiões anuncie o Salvador da humanidade, Jesus!

  

 


Os Desacreditados

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on August 21, 2016 at 6:30 PM Comments comments (0)


OS DESACREDITADOS - Crentes Desacreditados.

 

Mas o próprio Jesus não confiava a eles, porque os conhecia a todos. João 2:24


Era algo surpreendente aos olhos humanos, ver uma grande multidão seguindo a Jesus. Parecia uma recepção sincera ao Rei dos reis.

O apóstolo João registra a motivação do coração dos galileus que foram ao encontro de Jesus: vistas todas as coisas que fizera em Jerusalém (Jo 4.43). Contudo, a multidão tinha uma fé desacreditada por Cristo. (Jo 2.23-25).

 

Aparentemente a multidão que seguia Jesus Cristo expressava uma devoção religiosa formidável, mas havia uma motivação errada para ir ao encontro de Jesus. As pessoas tinham uma crença que não agradava a Deus, porque buscavam Jesus não como o Cristo, o Salvador. Elas não estavam sedentas de salvação, mas desejosas de bênçãos e de todo tipo de suprimento pessoal nesta terra. Este tipo de devoção não sustenta ninguém na hora da dificuldade, do sofrimento ou da perseguição, além de fazer o crente ser totalmente desacreditado por Deus e pela sociedade. 


Introdução (2)

No século passado alguns missionários que trabalhavam na Índia pensaram em uma estratégia que poderia trazer um verdadeiro avivamento para o País. Eles disseram: “Se nós conseguirmos evangelizar o líder do hinduísmo Mahatma Gandhi e o ganharmos para Cristo, toda nação indiana será impactada por esse testemunho”. Convictos da sua estratégia foram ao encontro de Gandhi para persuadi-lo a ser cristão, entretanto no meio da conversar ouviram de Gandhi: “No vosso Cristo eu creio eu só não creio é no vosso Cristianismo sem vida”.

 

O que aqueles missionários ouviram de Gandhi é o que constantemente ouvimos sobre o cristianismo atual. Muitos ainda acreditam em Cristo, mas são descrentes em relação aos crentes. Acreditam em Deus, todavia não acreditam na Igreja constituída de “seguidores” de Jesus Cristo.

 

Segundo as estatísticas do IBGE, em 1950, “os sem religião” eram aproximadamente 0,5% da população. Hoje eles já são a terceira maior “identidade religiosa” do País, estando atrás apenas dos católicos e dos evangélicos.

Eles não são adeptos da “não religião”, por serem ateus, mas são aqueles que já frequentaram uma Igreja e se decepcionaram. 

Decepcionados com a Igreja, descrentes dos crentes e convictos que as demais religiões não os levariam a Deus, optaram em ser “sem religião”. 

Por que os “sem religião” crescem tanto? Por qual razão a sociedade brasileira está descrente dos crentes? Podemos resgatar a credibilidade da Igreja? O que devemos fazer?


I - POR QUE A IGREJA TEM PERDIDO A CREDIBILIDADE NO MUNDO?

 

O Rev. Elben M. Lenz César falando sobre a crise da igreja contemporânea diz:

“Não temos defesa: estamos desacreditados diante do governo (também desacreditado), diante dos críticos, diante dos antigos simpatizantes, diante dos opositores, diante da mídia (caçadora de escândalo) e diante do povo.” 

Não são poucas a razões pelas quais a igreja tem perdido a credibilidade diante da sociedade. Entendemos que há razões externas e internas. Citaremos algumas.

  

1.1. Razão externa – O Espírito da Besta: O pluralismo e a relatividade da verdade.

 

Com certeza há razões escatológicas que apontam para o afastamento daquele que hoje resiste e impede a manifestação do anticristo.

As últimas décadas têm sido caracterizadas por movimentos filosófico-teológicos, vindos do inferno,  que romperam com tudo o que, historicamente, tem sido crido como verdade fundamental: relativismo, pós-modernismo e pluralismo, defendem uma ideologia anti-Deus, preparando o mundo para receber a Besta.

 

Estes movimentos condenam qualquer ideia de verdade absoluta e são fortes opositores da igreja. Para os pluralistas a multiplicidade de conceitos sobre o exercício da fé, das crenças (Deísmo, Teísmo, ateísmo, politeísmo, etc.), compreende a essência do pensamento humano e seu direito em crer ou deixar de crer no que quiser, sem ser discriminado por isso. A crença do individuo é sua verdade. Para eles pode-se até dialogar, desde que aja “tolerância”, o que para eles é quase um sinônimo de concordância.

 

Tolerância, no contexto da nova ordem mundial, significa aceitar, valorizar e defender a diversidade cultural, social, sexual, comportamental, ideológica e religiosa, desde que não venha do cristianismo ou do judaísmo.

Essa relativização da verdade tem exercido grande influência na visão da sociedade com respeito à igreja. A conclusão que muitos tem chegado é: a verdade não é absoluta, logo, a igreja não pode ser detentora de uma crença absoluta e, portanto, não é digna de todo o crédito.


1.2. Razões Internas 

Hoje o crente não tem credibilidade como antigamente. Se você estiver conversando com alguém e no meio da conversa disser que é um pastor, pode até ser que uma porta seja fechada para você.

 

A Igreja como instituição, tem perdido a credibilidade e a sociedade está descrente dos crentes. Tudo isso acontece por razões internas do próprio cristianismo atual. Aqui apresentaremos algumas razões do porque a sociedade está descrente dos crentes. 

 

1.2.1. Escândalos envolvendo lideres. 

Não precisa sem bem informado para tomar conhecimento dos escândalos que envolvem lideres que se dizem evangélicos. As várias e repetidas decepções com líderes tem levado sociedade à resignação. Uma pesquisa organizada pelo instituto LifeWay Research, nos Estados Unidos, feita no final de 2006, mostrou as principais causas que levam uma pessoa a mudar de igreja, dentre as razões 74% estava envolvia o testemunho da igreja, liderança e principalmente do Pastor.

 

Esta é uma realidade em todo o planeta. A igreja evangélica brasileira tem sido, via de regra, marcada por uma mentalidade consumista, hedonista e materialista, como o restante da sociedade. A visão mercantilista de igreja tem feito da igreja evangélica no Brasil objeto de escárnio e deboche.

 

A mídia expõe com frequência os escândalos morais de líderes evangélicos brasileiros.

O sal tem se tornado insípido e não tem servido senão para ser pisado pelos homens. Esse comportamento escandaloso ridiculariza a Cristo, prejudica o evangelismo e destrói a credibilidade do cristianismo em nosso país.


  

1.2.2. O Mercado da Fé.

 

Estamos vivendo tempos difíceis, nos quais muitos têm buscado socorro no caminho mais fácil, onde possa encontrar respostas e soluções imediatas para atender as suas necessidades temporais. Com isso surge um novo grupo de interesseiros, carnais, amantes de si mesmo e do mundo, sem compromisso com Deus, que se tornam “clientes” de igrejas e não crentes em Jesus Cristo. São consumistas, interesseiros que buscam o que a igreja pode oferecer a eles.

Diante de tantos clientes, muitas denominações mudaram a igreja em um negócio; pastores se transformaram em executivos e vendedores, o ministério um gerenciamento. Essas organizações religiosas (?) têm sido guiadas mais pelas leis do mercado (como a produtividade, desempenho, faturamento, profissionalismo, qualidade, nichos de consumidores e estratégias de marketing) do que pela Bíblia Sagrada.

Apresentam um Jesus Cristo atraente, prometem a prosperidade na terra e a vida eterna no céu, sem precisar renunciar a nada. Palavras como confissão, pecado, arrependimento, negar-se a si mesmo, foram substituídas por decretar, determinar, conquistar, restituir, etc.

 

Movidas pela teologia da “prosperidade” muitas Igrejas estão mercadejando a fé. Pregam sobre dinheiro e por dinheiro, prometendo o que Deus não prometeu, levando muitos, à decepção religiosa e por fim a descrença. Essa e outra razão da descrença da sociedade em relação aos crentes. 

 

1.2.3. A geração “Gospel” – Simpatizantes e Não Seguidores.

 

Esta é a geração gospel, composta de convencidos e não de convertidos. 

Vivemos na Era do vazio espiritual na igreja. A manipulação está substituindo o conhecimento de Deus em nossas igrejas. A geração gospel tem alguns chavões religiosos na boca, mas não tem Cristo na vida. No meio gospel os membros das igrejas são recebidos, mas não são instruídos; são animados, mas não são ensinados. As pessoas adoram a um Deus que elas não conhecem. A verdadeira adoração requer o conhecimento, daí o nome de culto racional (Rm 12:1). O culto emocional, sem o entendimento, é uma forma errada de adoração.

 

A igreja gospel não ensina sobre Deus e suas reuniões se resumem a um ajuntamento de pessoas, como um clube social, onde a ênfase não é o conhecimento de Deus.

 

É imprescindível que conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor. (Os 6.3). 

Lamentavelmente há uma multidão, dita evangélica, que nunca passou do “Átrio Gospel Emocional”. 

Templos enormes superlotados de pessoas vazias de Deus.

Essa falta de conteúdo de Cristo na vida daqueles que são ou se dizem seus seguidores tem tirado a força do testemunho da verdade e a credibilidade da mensagem do evangelho.

 

1.2.4. Vivendo a verdade como se fosse uma mentira.

 

“Eu creria na sua salvação se os cristãos se parecessem um pouco mais com pessoas que foram salvas”.

 

A afirmação acima foi dita por Fiedrich Nietzche, no final do século XVIII e nunca foi tão atual como nos dias de hoje. O cristianismo está cheio de pessoas que vivem a verdade como se fosse uma mentira.

Pessoas que vivem o que não pregam e pregam o que não vivem.

 

‘Os evangélicos estão aderindo a estilos de vida hedonistas, materialistas, egoístas e sexualmente imorais com a mesma proporção que o mundo’ (...) Se já não somos o sal da terra, a luz do mundo e o bom perfume de Cristo, não servimos para mais nada, exceto para sermos jogados fora e pisados pelos homens, de acordo com Jesus”.


1.2.5. Crentes Sem Compromisso

“Compromisso” é definido como o estado ou qualidade de ser dedicado a uma causa, atividade, ou pessoa.

Ser membro de uma igreja ou participar de alguma organização religiosa que professa e prega a Palavra de Deus é algo louvável, mas é preciso mais do que isso para ser acreditado por Deus e pelos homens.

 

É preciso viver a verdade, assumir compromisso com a verdade.

 

O professor Hugh Black, no seu “Serviço de amor de Cristo”, disse que uma jovem judia, que é agora Cristã, pediu a certo senhor que lhe havia dado instruções a respeito do Evangelho, que lesse com ela a história. Porque, disse ela: “Tenho lido os Evangelhos e estou perplexa. Quero saber quando os cristãos deixaram de ser tão diferentes de Cristo”. Essa é a realidade atual, um cristianismo que tem o rotulo de Cristo, mas nenhum conteúdo dEle.


1.2.6. Fé Sem Boas Obras.

 

Há muitas igrejas que até zelam pela doutrina, todavia essa fé não é evidenciada na sociedade. A igreja vive uma fé que não se desdobra em boas obras, não busca a transformação da sociedade e não se preocupa com os problemas do próximo.

 

Muitas igrejas são irrelevantes em sua atuação no mundo. Dizem pregar o amor, mas não vivem o amor ao próximo como ensinado por Jesus Cristo.

A igreja precisa ter uma prática de vida que possa afetar a sociedade e o indivíduo.

 

Os cristãos foram postos no mundo para ser a consciência da sociedade, e não para se fecharem em um grupo religioso. A Igreja deve ser a voz do que clama no deserto, o sal da terra e a luz do mundo, a fim de fazer a diferença na sociedade.

Esta falta de prática das verdades as quais os cristãos dizem crer é uma das razões pelas quais a sociedade estar descrentes dos crentes.


CONCLUSÃO:

Se a sociedade ímpia está desacreditando dos crentes, imagine o descrédito da “multidão gospel” diante de Deus.

Neste tempo em que a igreja está desacreditada por muitos somos desafiados a viver como verdadeiros seguidores de Jesus Cristo. Embora estejamos sujeitos a falhas e erros, devemos nos esforçar para ser a diferença no meio de um mundo corrompido pelo engano do pecado.

 

Comecemos com uma REFORMA pessoal. Faça o despojamento daquilo que pertence ao velho homem. Renove a sua mentalidade na Palavra de Deus e revista-se do modelo do novo homem criado por Deus. (Ef 4:22-24)

 

Para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus imaculados no meio de uma geração corrupta e perversa, entre a qual resplandeceis como luminares no mundo. Fl 2:15 


Ficando na Brecha

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on August 7, 2016 at 7:05 PM Comments comments (0)



Deus Procura um homem Para Ficar na Brecha...

 

E busquei dentre eles um homem que estivesse tapando o muro, e estivesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse; porém a ninguém achei. (Ezequiel 22:30)

 

Introdução

Nos dias de Ezequiel os muros ao redor de Jerusalém faziam parte do sistema de defesa e proteção da cidade contra ataques inimigos.

 

1. Muro – proteção da cidade, defesa da cidade;

2. Brecha – abertura, passagem, fraqueza, porta de acesso do inimigo;

3. Um homem, um intercessor – um homem apenas;

 

O Muro

O muro é a linha de demarcação entre a santidade e o pecado. O muro com buracos precisa ser reparado. Deus nos quer reparando este muro.

Se o muro cair não saberemos o que é santo e profano. A falta de linha demarcatória nos impede de entender o que é profano do que é sagrado, o certo do errado.

Deus nos quer na brecha do muro para interceder pelo povo.

 

Brechas na Muralha

Rachaduras, rupturas e buracos na muralha revelavam uma defesa comprometida, frágil. A proteção da cidade estava com aberturas que conferiam legalidade para o inimigo entrar e subjugar a todos os moradores; as brechas precisavam ser fechadas sob pena de ataques que levariam o povo a escravidão, doenças, miséria, sofrimento e morte.

 

 

Ninguém Encontrou – Por que Deus não encontrou? (Ageu 1:9)

Naqueles dias cada um estava cuidando do seu próprio negócio, de sua própria vida. Sacerdotes, profetas, autoridades, anciãos, povo em geral (ninguém).


  

I-A PROCURA DE UM HOMEM

Deus Procura um homem... Mas, não um homem qualquer, mas alguém que pudesse ficar na brecha, como escudo humano.

 

Dai voltas às ruas de Jerusalém, e vede agora, e informai-vos, e buscai pelas suas praças a ver se podeis achar um homem, se há alguém que pratique a justiça, que busque a verdade; e eu lhe perdoarei a ela. Jeremias 5:1

  

I - A ideia popular de um grande homem em nossa sociedade:

1. Aparência: beleza, força, vigor;

2. Patrimônio: dinheiro, bens, negócios;

3. Intelectualidade: criação, administração, persuasão;

4. Poder: influência, liderança, redes fraternais;

 


II- As Nossas Avaliações São Diferentes e Contrárias aos Critérios de Deus

 

Mas o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque eu o rejeitei; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração. I Sm 16:7

 

Grandeza - O Maior seja como servo - Mt 23:11

 

Riquezas – Mt 6: 20 mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam.

 Não Por esperança na Incerteza das riquezas - I Tm 6:17 -

 Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração. Mt 6:21

 

Conhecimento - Se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber (I Co 8:2) .

Os 6: 3 Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor.

 

Poder - Finalmente, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Ef 6:10

 

Maria, rainha dos escoceses. Ela temia John Knox e dizia que tinha mais medo das suas orações e da sua pregação do que de muitos regimentos de soldados ingleses.”

 

Resumo:

Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em entender, e em me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço benevolência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor. Jeremias 9:23-24


  

II-A PROCURA DE UM HOMEM PARA FICAR NA BRECHA

Deus está à procura de uma pessoa digna de ser a “defesa da cidade”. Alguém que possa ficar de pé diante do SENHOR, identificando-se com o pecado do povo da cidade, chamando por perdão e misericórdia.

Ficar na brecha é orar em favor do povo; procurar a orientação de Deus a favor do povo; orar por arrependimento do povo.

É com pessoas que se dispõem a ficar na brecha que Deus faz sua obra no mundo.

A mensagem de Ezequiel (22:30) foi para os líderes e para o povo em geral. Deus está chamando servos interessados em consertar os muros derrubados da cidade e da igreja e em se colocar na brecha.


 

III – QUE TIPO DE HOMEM DEUS PROCURA?

 

O texto diz que Deus estava procurando alguém que tapasse o muro. Alguém precisava entrar na brecha. Isto significa, pessoas que possam não somente perceber os problemas, mas esforçar-se para solucioná-los a nível espiritual, intercedendo, clamando.

O SENHOR quer pessoas que se disponham a ficar em pé. (Is 62.6-7). Estar em pé sugere o oposto de descanso. Há muita gente que quer ficar sentada diante de Deus.

Pessoas que estejam dispostas a clamar pelo seu povo, sua igreja, sua cidade.

 

E busquei dentre eles um homem que estivesse tapando o muro, e estivesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse; porém a ninguém achei. (Ezequiel 22:30)

 

3.1 – Não Apenas Um Intercessor

 

Dai voltas às ruas de Jerusalém, e vede agora, e informai-vos, e buscai pelas suas praças a ver se podeis achar um homem, se há alguém que pratique a justiça, que busque a verdade; e eu lhe perdoarei a ela. Jeremias 5:1

 

Oração não é sinônimo de “palavras”. Temos orado muito como palavras, mas orado pouco como “convívio com Deus”. Quando Paulo nos pede para orar sem cessar (1Tesalonicenses 5.17), não pode estar pedindo oração-palavra, mas oração-vida, ou seja, não podemos falar sem cessar, mas podemos viver em Deus sem cessar.

3.2. Que Busque a Verdade/Deus - O que busca Deus, a Verdade.

 

3.3. Que Pratique a Justiça – O que vive a Verdade encontrada.


 

IV – RESUMINDO

 

1. A visão da Brecha é Fundamental.

Para ver as brechas, precisamos agir como atalaias. Nem sempre o perigo tem cara de mal. Olhe em redor.


2. A Prontidão de Ficar na Brecha é Louvável.

Não basta ter a visão dos problemas e das necessidades. Nosso empenho deve ser feito com oração. E oração sem ação é preguiça. E ação sem oração é pretensão. É preciso ter coragem para ficar na brecha.

Somos sacerdotes de nós mesmos e sacerdotes daqueles que ainda não entenderam que Jesus Cristo é o único mediador entre os homens e Deus.

Não é fácil ficar na brecha. Não faltarão os críticos... excelentes críticos, mas incapazes de ficar na brecha.


3. A Disposição de Reparar as Próprias Brechas é o que torna o homem habilitado diante de Deus.

Para que nos coloquemos na brecha pelos outros, precisamos nos reparar a nós mesmos.

Precisamos nos dispor a viver segundo o propósito de Deus e isso só acontecerá quando seguirmos o programa que Deus falou a Salomão há muito tempo atrás: (2 Cr 7.14).


 

Conclusão

Quando Deus quer libertar um povo chama um homem.


Quando Deus quis:

preservar a raça humana chamou NOÉ - Gen. 6:5-9;

preservar a vida do seu povo chamou JOSÉ - Gen. 45:4-8;

libertar o seu povo do Egito chamou MOISÉS - Êxodo 3:10-12;

libertar Israel dos Midianitas chamou GIDEÃO - Juízes 6:14;

libertar o seu povo dos filisteus chamou SANSÃO - Juizes 13:5;

livrar os judeus da morte chamou ESTER - Ester 4:13-14;

libertar Nínive dos seus pecados chamou JONAS - Jonas 1:1-2;

Salvar o homem mandou JESUS - Mateus 1:21.

 


Deus está a procura de um homem para libertar o seu povo das trevas espirituais, da ignorância do Evangelho nesta cidade. Será que esse homem é você?


 

 



Rss_feed