CNV

Click here to edit subtitle

Artigos da CNV:

Consciência Moral - Alteração de Consciência

view:  full / summary

Sal e Luz

Posted by BenneDen on March 13, 2018 at 9:50 AM Comments comments (0)

Seja Sal e Luz


“Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mt 5.16).



 Pense em uma escolha que você fez recentemente. O que lhe levou a tomar essa decisão?

 Pense em um modo novo de se vestir, cortar o cabelo ou até mesmo de falar. O que lhe levou a esse comportamento?


Pode haver inúmeras razões envolvidas, mas, a realidade é que, sem que percebamos, o comportamento de outras pessoas têm enorme influência sobre nossas preferências, nossas decisões e personalidades. Isso é influência social do mundo sobre nós e nos faz entender que há influências sutis e quase invisíveis por trás de nossas escolhas e por trás de nossos comportamentos.

Provavelmente, a maior de todas as tragédias da igreja ao longo de sua história tem sido a sua conformação à cultura do mundo, em lugar de desenvolver uma contracultura cristã”.



I – O PODER DA INFLUÊNCIA

Que influência devemos exercer num mundo tão cheio de maldade, corrupção e violência?

Para definir a natureza da influência que deve acontecer no mundo, Jesus usa duas figuras comuns do lar – sal e luz. Qual é o lar, por mais pobre que seja, que não usa tanto o sal como a luz? Sal e luz são itens indispensáveis em qualquer lar.


II – VOCÊS SÃO O SAL DA TERRA (Mt 5.13)

1. A função do sal (v.13)

a. Sal é tempero que – dá sabor à comida – A influência do crente no mundo deve ser como o sal para a comida – o crente deve dar um novo sabor ao ambiente do trabalho, da fábrica, da faculdade, etc. Será que a nossa presença tem essa influência positiva?


b. Sal é preservador – evita a putrefação

O crente deve ter uma influência antisséptica no mundo. A presença do crente deve evitar a propagação do mal, combatendo a podridão ao seu redor.

Os cristãos são colocados por Deus numa sociedade secular para retardar o processo de podridão.


2. A eficácia do sal (v.13) A eficácia do sal é a sua salinidade. Para continuar a ser útil, o sal não pode perder sua qualidade de salinidade.

A salinidade do crente vem de sua pureza, de sua santidade.


Se o crente é “o sal da terra”, tem de ser um exemplo de pureza.

Uma das características da sociedade em que vivemos é o rebaixamento dos padrões de pureza. Não há mais restrições na área moral.

O crente é “chamado a ser um purificador moral em um mundo decadente, onde os padrões morais são baixos ou inexistentes.

O problema, muitas vezes, é que o crente se deixa contaminar pelas impurezas do mundo, e, por isso, perde a sua qualidade de salinidade.

O Problema não é o crente no mundo, mas o mundo no crente.


a. É irrecuperável – “como lhe restaurar o sabor?” Não há remédio para o sal sem sua salinidade.

b. É inútil – “para nada mais presta.”

c. É condenado à destruição – “lançado fora, ser pisado pelos homens!”.


Se não estamos sendo úteis, então seremos jogados fora. Inutilidade sempre traz desastre. E não se esqueça! O crente é sal, e não açúcar!


III – VOCÊS SÃO A LUZ DO MUNDO (Mt 5.14-16)

Paulo nos lembra que “o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo” (2Co 4.4).

1. A função da luz (v.14-15)

Ilumina, clareia, torna possível ver.


a. A luz deve brilhar no MUNDO – é bom observar que o lugar onde devemos brilhar para Jesus é o mundo, onde as trevas dominam.

Jesus convoca Seus seguidores a ser aquilo que Ele mesmo é – “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12). A luz de Jesus, brilhando nos discípulos, aparece em cada rosto, nas palavras, nas ações, e ilumina o mundo ao redor.


O nosso testemunho público deve ser visto na maneira como tratamos o balconista na loja, a doméstica em casa, o porteiro no prédio, o empregado no serviço.

Jesus não disse – “Vós sois a luz da igreja”, mas “Vós sois a luz do mundo”.

b. A luz dissipa as trevas e traz a visão real – Paulo, ao escrever aos filipenses, enfatiza sua função: “Inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo” (Fp 2.15). O mundo não pode permanecer nas trevas, na ignorância, sem o Evangelho e sem Cristo. A luz revela os perigos que nos cercam neste mundo tenebroso e torna possível o entendimento da verdade.

 

2. O resultado da luz (v.16)

a. Outros podem ver as nossas boas obras –Essa expressão abrange tudo o que o crente faz e diz, demonstrando seu testemunho cristão diário.

b. Outros podem glorificar ao nosso Pai Celestial – Nossas boas obras não devem chamar a atenção para nós, mas para Deus. “Quando os homens veem tais obras, disse Jesus, glorificam a Deus, pois elas encarnam as boas novas do Seu amor que nós proclamamos” (Stott).


CONCLUSÃO

O crente precisa exercer sua influência neste mundo tenebroso, tentando evitar a deterioração moral da sociedade e a ignorância espiritual desta geração.

Assim aprendemos que fomos colocados na sociedade com este papel duplo:

sal, para interromper, ou pelo menos retardar o processo da corrupção moral do mundo;

luz, para desfazer as trevas e dar a visão espiritual da verdade.

Seja Sal, seja LUZ.



Servo de Quem?

Posted by BenneDen on January 30, 2018 at 9:00 PM Comments comments (0)


Introdução

A Bíblia não condena especificamente a prática da escravidão. A Bíblia dá indicações quanto aos deveres recíprocos de senhores e servos: Ef 6:5-9; Colossenses 3:22 4:1 ;Tito 2:9; Filemom 1:1-25; 1Pe 2:18.


Somos chocados quando lidamos com um tema perturbador, a escravidão nos tempos bíblicos. Como poderia a Bíblia tolerar a escravidão?

1. Não desejaria Deus, fundamentalmente, que toda a humanidade fosse livre?

2. Os Israelitas foram libertos da escravidão do Egito para se tornarem eles mesmos senhores de escravos?

A escravidão dos israelitas no Egito foi algo que deveria sensibilizá-los diante do sofrimento dos outros. Como poderia então um judeu ter um escravo?


1-A Escravidão – Modelos Distintos.

Seria bem mais confortável se Deus tivesse proibido totalmente a escravidão. Mas como não é esse o caso, nos sentimos no dever de examinar mais profundamente essa questão.


Creio que há pelos menos 2 grandes motivos que validam a permissão divina para a escravidão entre os hebreus:

1 – Mostrar que todos os homens são servos. Todos servem ao seu dono;

2 - Mostrar que há uma grande diferença entre servir ao pecado e servir a Deus.



É importante lembrar que o mundo daquela época praticava a escravidão nos moldes clássicos. Todos os reinos em volta de Israel tinham seus escravos. E nessas nações, os escravos eram tratados como mera mercadoria, com brutalidade e horror e crueldade.

O modelo de escravidão existente entre os hebreus era diferente das outras nações. Por meio de uma sofisticada rede de mandamentos, a Lei judaica estabelecia de fato um modelo de "escravidão diferente".


Quem era Escravo em Israel?

As únicas situações em que alguém poderia se tornar um escravo eram:

1. Por dívida – se alguém não conseguisse pagar, poderia vender seu trabalho, tornando-se escravo de outra pessoa até quitar a dívida;

2. Por pobreza – quem não conseguia se sustentar poderia vender-se como servo; o senhor tinha o dever de garantir o sustento do servo;

3. Por nascimento – o filho de um escravo era escravo;

4. Como prisioneiro de guerra – em vez de mortos, prisioneiros de guerra podiam ser escravizados (mas com direitos específicos).

 


Escravidão entre os Hebreus:


• Um escravo deveria ser libertado no sétimo ano de escravidão; só seria escravo a vida inteira quem escolhesse ser – Êxodo 21:2

• Quando fosse liberto, o escravo deveria receber de seu senhor sustento para lhe ajudar a começar a vida em liberdade – Deuteronômio 15:12-14

• Escravos tinham direito a folga no sábado e nas festas religiosas.

• Quem causasse danos físicos tinha de libertar seu escravo em compensação; se um senhor matasse seu escravo, seria punido – Êxodo 21:26-27

• Escravas não poderiam ser usadas como prostitutas e uma escrava que se tornasse esposa tinha direito de proteção a vida toda.

• Raptar alguém para vender como escravo era punido com morte; essa lei destruía o negócio do tráfico humano – Êxodo 21:16

• Um escravo poderia ser resgatado por um parente; em algumas situações o próprio escravo conseguia pagar seu resgate.

• Se um escravo fugisse, não deveria ser entregue ao seu senhor contra sua vontade nem receberia punição – Deuteronômio 23:15-16


2-O Direito à Vida (Sobrevivência)

Permitindo que os Israelitas adquirissem servos e escravos, Deus fazia com que esses homens e mulheres que não possuíam mais a sua própria vida, agora pudessem ter sustento e uma nova esperança, ao encontrar o Deus de Abraão e entrar em uma aliança com Ele.

Isso era parte da promessa que Deus havia feito com Abraão:

"em ti serão benditas todas as famílias da terra." Gênesis 12:3

Evitando as práticas brutais das nações vizinhas, os Israelitas deveriam diminuir o sofrimento humano "no mundo real".

E a aquisição desses homens e mulheres para dentro da sociedade Israelita, deveria ser um meio para melhorar a vida deles, principalmente por meio da conversão, do aprendizado da Lei de Deus e do entrar no pacto e na aliança com Deus.



3-O Homem – Escravo do Pecado ou Servo de Deus

O ato de desobediência, no Jardim do Éden, resultou na expulsão do homem do paraíso e na consequente escravidão do pecado. 2 Pe 2:19

A realidade é que todos os homens são servos de Alguém. Todos os homem têm um Senhor. O que diferencia o "status" dos servos é " a aquem eles estão servindo"? Ao Diabo ou a Deus? 

Ninguém pode servir a dois senhores. Mt 6:24

"Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. João 8:34

Prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção; porque de quem um homem é vencido, do mesmo é feito escravo. 2 Pe 2:19

Mas Deus providenciou o Messias, Jesus, para nos libertar desta escravidão, e agora somos feitos servos de Deus.

E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o Príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados. Ap 1:5

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres." João 8:36

Para a liberdade Cristo nos libertou; permanecei, pois, firmes e não vos dobreis novamente a um jogo de escravidão. Gl 5:1


Conclusão - Temos um Dono, temos um Senhor.

Pois aquele que, sendo escravo, foi chamado pelo Senhor, é liberto e pertence ao Senhor; e da mesma forma, aquele que era livre quando foi chamado, agora é escravo de Cristo. 1 Co 7:22

Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo. 1 Co 6:20

"Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado" 1 Pedro 1:18-19

Nós fomos comprados. Você não pertence a si mesmo, você foi comprado por um preço, você foi comprado por Jesus.

O escravo não possui liberdade para fazer aquilo que deseja fazer. Ele está sujeito à vontade de seu senhor. O escravo é obrigado a ser submisso e obediente.

Nós só temos um Senhor. Nós somos totalmente dependentes deste Senhor para todas as nossas provisões.



O Reino de Deus

Posted by BenneDen on January 22, 2018 at 7:05 PM Comments comments (0)


Introdução

O governo moral de Deus sobre os homens

Ricos e pobres, famosos e anônimos, todos nós vivemos segundo certas normas e hábitos.

Podemos classificar os seres humanos em dois grupos: os que vivem como querem e os que vivem como Deus quer. Estes dois estilos de vida são opostos entre si e refletem a influência e o domínio de seus respectivos reinos.

1. O Império das Trevas – cada um vive para fazer a sua vontade;

2. O Reino de Deus – cada um vive para fazer a vontade de Deus.


O homem é um ser criado com responsabilidade moral e capacidade de decisão. Você decide em que reino quer viver e a que Rei deseja servir.

Deus, autoridade suprema do reino, expressa sua vontade ao homem por meio de sua palavra, esperando dele uma sujeição consciente e voluntária.

O homem é um ser criado com responsabilidade moral e capacidade de decisão.

O homem é responsável por obedecer de modo consciente e voluntário à Palavra do Rei, reconhecendo e se submetendo ao governo do Rei.

E que nos tirou do império das trevas, e nos transportou para o reino do seu Filho amado. Cl 1:13



Reino

É um território sob o governo de um rei. O governo se estende sobre terras e seus habitantes. Nos tempos bíblicos, a maioria dos povos era governada por reis. Por isso, as nações eram chamadas reinos.

O reino de Deus não tem qualquer mistério: significa que Deus é rei.

1. O que as pessoas pensam e fazem não modifica o fato do reino de Deus.

2. O que acreditamos e fazemos influencia a nossa posição no reino de Deus.

O reino de Deus é o governo de Deus no coração da pessoa humana, na sua vontade, no seu intelecto, no seu ser integral, e assim: é um reino espiritual, não material; um reino moral, não nacionalista.

O reino de Deus é uma realidade presente, invisível, mas real. Deus exerce Seu governo, domínio e soberania agora, no coração de seu povo. Mas o reino de Deus é também uma realidade futura – Jesus voltará e reinará sobre as nações.

Os profetas bíblicos se referiram à realeza de Deus, assim como Seu domínio sobre o céu e a terra — e Seu futuro reinado sobre todas as nações da Terra. Muitos judeus do primeiro século estavam, como José de Arimateia, “esperando o reino de Deus” (Marcos 15:43) — isto é, aguardando a sua manifestação visível no futuro.



A Pregação do Reino de Deus

O Reino de Deus foi o âmago e o núcleo do ensinamento de Jesus Cristo. O assunto era tão dominante na mensagem de Jesus que Seu primeiro sermão registrado nas Escrituras foi:

O tempo está cumprido, e é chegado o reino de Deus. Arrependei-vos, e crede no evangelho. (Marcos 1.15)

Jo 18:36 –o meu reino não é deste mundo.

 

Suas últimas reflexões falaram do reino de Deus:

...aos quais também, depois de haver padecido, se apresentou vivo, com muitas provas infalíveis, aparecendo-lhes por espaço de quarenta dias, e lhes falando das coisas concernentes ao reino de Deus. (Atos 1.3).



A Igreja Primitiva pregava o Reino de Deus

Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens como mulheres. (Atos 8:12)

E, entrando na sinagoga, falou ousadamente por espaço de três meses, disputando e persuadindo-os acerca do reino de Deus. (At 19: 8

E agora, na verdade, sei que todos vós, por quem passei pregando o reino de Deus, não vereis mais o meu rosto. (Atos 20:25)

Pregando o reino de Deus, e ensinando com toda a liberdade as coisas pertencentes ao Senhor Jesus Cristo, sem impedimento algum. (Atos 28:31)


A pregação do Reino de Deus é até o Fim

Jesus disse: “Este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim” (Mateus 24:14).

E tocou o sétimo anjo a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: O reino do mundo passou a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos. (Ap 11:15)



O Reino de Deus – o Tesouro da Vida

O governo de Deus na vida é algo de tamanha substância que Jesus o apresenta como um tesouro sem comparações.

O reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido no campo, que um homem, ao descobri-lo, esconde; então, movido de gozo, vai, vende tudo quanto tem, e compra aquele campo. Outrossim, o reino dos céus é semelhante a um negociante que buscava boas pérolas; e encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha, e a comprou. (Mt 13.44-46).


O Reino de Deus é uma dádiva, uma concessão graciosa, mas custa o que se tem para nele entrar (Mateus 6.33).

Não podemos entrar no Reino sem primeiro recebê-lo.

“Em verdade vos digo que qualquer que não receber o Reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele” (Marcos 10:15).

“Por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de Deus” (Atos 14:22). Eles ainda não tinham entrado.

“Porque assim vos será no futuro amplamente concedida a entrada no Reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2 Pedro 1:11) .

É importante compreender que entrar no Reino de Deus, no sentido pleno, exige uma mudança no nível de existência. Devemos ser glorificados para viver plenamente no reino de Deus.



Conclusão

O homem deve ser guiado por uma meta, um propósito maior. Sem a visão certa, errará o alvo e, por fim, perecerá.

“Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens” (1 Coríntios 15:19).

Buscar primeiro o Reino de Deus (Mateus 6:33). O Reino de Deus é realmente a razão da nossa existência! Tudo o que fazemos é para o futuro que Deus trará.

Sem a visão certa, vamos circular longe de Deus e, por fim, perecer.

O Reino de Deus é a razão da nossa existência, por isso seguimos para o alvo! Fl 3:14

Prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus.

Viva Para o Rei Jesus!

Devemos orar, estudar as Escrituras, planejar e trabalhar diligentemente para que o Reino de Deus seja expandido, a partir do lugar onde vivemos, até os confins da Terra.


Casamento e Divorcio

Posted by BenneDen on January 15, 2018 at 8:35 AM Comments comments (0)



O Pacto matrimonial é seríssimo. Trata-se de uma aliança de sangue, ou seja, de validade até a morte ( 1Co 7:39).

Os aliançados tornam-se “uma só carne”, uma unidade, o casal (Mt 19:6). Compartilham alegrias e sofrimentos, trabalhos e diversões, vitórias e derrotas, ganhos e perdas, problemas e soluções, juventude e velhice até a morte.


E quando o relacionamento torna-se infiel? E quando há traição? Um ferimento grave, mas não mortal. O profundo arrependimento e o perdão podem trazer a cura.


E as cicatrizes? São marcas que testemunham a cura.


E sobre o divórcio? Deus odeia o divórcio (Ml 2:16), mas, diante da infidelidade conjugal, permite ao cônjuge traído o direito a um novo casamento (Mt 5:32; 19:9). Essa permissão não é um troféu de conquista. Na ruptura da aliança matrimonial não há celebração religiosa, não há festa e nem convidados especiais. Como comemorar a falência de um pacto vitalício? O divórcio é, na ótica bíblica, uma tragédia e não solução. Trata-se de uma possibilidade restrita, permitida com tristeza, como exceção e, por isso, deve-se fazer sempre o máximo de empenho para reconciliar e restaurar o casamento.



Assim já não são mais dois, mas um só carne. Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem. Mt 19:6

Irmãos, falo como homem. Um pacto, embora de homem, uma vez confirmado, ninguém o anula, nem lhe acrescenta coisa alguma – Gl 3:15.


Pense Nisso!



Ungidos do SENHOR

Posted by BenneDen on January 8, 2018 at 7:25 AM Comments comments (0)



A Unção do Alto – Ex 30:22ss

Introdução

No Antigo Testamento, a unção (óleo, azeite) representava o Espírito de Deus. No Novo, permanece a simbologia, entretanto com bem menos intensidade. Por quê? Porque o Espírito hoje é mais presente e atuante na vida dos crentes, após sua descida triunfal e espetacular no dia de Pentecostes.

Em termos gerais a unção é a presença manifesta do Espírito Santo sobre uma pessoa com um propósito de consagrá-la para um propósito divino.

A unção de Deus faz diferença em nossa vida. Ela faz que sejamos diferentes, para que possamos fazer diferença no meio em que estamos inseridos.

Quem tem a unção de Deus tem poder sobrenatural que o capacita a enfrentar adversidades e desafios no cumprimento de sua missão.


1- SALMOS 133 - Aspectos Gerais da Unção

1 Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!

2 É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desceu sobre a barba, a barba de Arão, que desceu sobre a gola das suas vestes;

3 como o orvalho de Hermom, que desce sobre os montes de Sião; porque ali o Senhor ordenou a bênção, a vida para sempre.

1. O óleo desce primeiro na cabeça (mente, cérebro) = a primeira mudança é de mentalidade. Muitas pessoas se iludem achando que mudança exterior é comprovação de que a mudança interior já ocorreu. Isso nem sempre é verdade e, infelizmente, nos dias de hoje, percebemos que muitas mudanças são apenas superficiais.

Só Deus pode mudar a mente de alguém de forma completa e definitiva. A obra de Deus acontece em primeiro lugar na mente, pois é na mente que acontece a programação da vida.

2. Em seguida o óleo desce pela barba (boca, lábios) = a segunda mudança é no falar, nas palavras. Uma nova mentalidade vai conduzir, necessariamente, a um novo modo de falar e de se expressar. Como Jesus enfatizou: a boca fala do que o coração está cheio – Mt 12:34. Se houve mudança na mente, a boca logo, logo terá uma nova linguagem, palavras edificantes e abençoadoras!

Falando a crentes - A palavra de Cristo habite em vós ricamente, em toda a sabedoria; ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, louvando a Deus com gratidão em vossos corações. Cl 3:16

Falando a não crentes - A vossa palavra seja sempre com graça, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um. Cl 4:6

3. Depois o óleo desce pela orla das vestes (indumentária, vestimenta, costumes) = o terceiro segmento da vida alcançado pela unção é o comportamento. É incrível, mas há uma tendência muito forte de nos comportarmos de acordo com o que vestimos. Você acredita que alguém que se veste deliberadamente de forma provocante está sendo usada pelo Espírito de Deus? Não, eu não acredito nisso. Eu acredito que o Espírito Santo, preenchendo a vida de alguém, vai direcioná-lo à santidade, não à vaidade ou à sensualidade.

“A roupa não faz o monge, mas sempre dirá quem ele é”. O nosso corpo é templo do Espírito Santo; antes de embelezar, a vestimenta, modesta e honrosa, convida à preservação do corpo e expressa a santidade que está no templo.


2- Fortaleza Interior

Finalmente, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Ef 6:10


Primeiro vem o fortalecimento em Deus, depois o fortalecimento na força do poder divino.

O poder exterior exige uma grande fortaleza interior.

Pouco proveito há se formos revestidos sem estarmos investidos do poder do Espírito Santo.

A unção exterior se esvazia rapidamente quando não encontra no homem interior as condições apropriadas para permanecer.



3- Ungidos Para a Missão

O Espírito do Senhor está mim, pelo que me ungiu para evangelizar aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para por em liberdade os oprimidos e apregoar o ano aceitável do Senhor. (Is 61:1-2)

Observe a sequência de fatos na vida de Jesus e veja como existe um paralelo com a nossa jornada na fé:

• Jesus foi gerado pelo Espírito

• Posteriormente foi cheio do Espírito


Uma coisa é termos o Espírito Santo e outra é sermos revestidos por Ele.

Uma coisa é termos uma nova vida e outra bem diferente é termos poder espiritual para a gloriosa missão de expressar ao mundo as qualidades dessa Nova Vida em Cristo - At 1:8

A unção sinaliza a missão. A unção confere poder para fazer. Atos 1:8

A unção reveste o crente com o poder do Alto para que seja uma corajosa testemunha diante deste mundo tenebroso, anunciando que em Jesus Cristo há salvação, cura, libertação e maravilhas. - At 1:8

Os discípulos receberiam poder... no grego, dunamis, palavra de onde vem dinamite e dinâmico, ou seja, Deus os capacitou a serem dinâmicos, capazes, detonando as fortalezas do diabo!

Os discípulos seriam testemunhas. No grego, marturius, de onde vem nossa palavra mártir, aquele que morre pela fé cristã.


Conclusão:

Que a unção do Espírito Santo faça diferença em sua vida. Que o revestimento do Espírito faça com que você seja uma pessoa diferente e que possa fazer diferença no meio onde você está.

A Unção Quebra o Jugo – Por quê?

E acontecerá, naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo do teu pescoço; e o jugo será despedaçado por causa da unção. (Isaías 10:27)


Que o SENHOR lhe conceda poder sobrenatural para lhe capacitar a enfrentar adversidades e desafios, com o poder do Espírito de Deus e ser vitorioso em nome de Jesus.




A Prece que Funciona

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on December 18, 2017 at 6:40 AM Comments comments (1)

A Oração que Funciona

1 Rs 18:41-46

O tema desta mensagem veio de um livro escrito por um cristão que preferiu o anonimato, mas que descobriu um dos segredos do sucesso na vida - a oração que prevalece e que funciona.

Neste livro ele reuniu textos bíblicos, princípios e experiências com o propósito de intensificar a comunhão com o Senhor, dinamizar a vida devocional e satisfazer o coração daquele que anseia por uma vida de oração melhor.

Dois Grandes Problemas Citados Por Tiago

1. A Falta de oração

2. A oração que não funciona

Cobiçais e nada tendes; logo matais. Invejais, e não podeis alcançar; logo combateis e fazeis guerras. Nada tendes, porque não pedis.

Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. Tg 4:2-3

O primeiro grave problema é que a maioria não ora a Deus. Imagine quantos problemas seriam evitados ou solucionados com a oração;

O segundo grave problema é que oramos sem atender os requisitos bíblicos, aí a oração não funciona. Ex.: Isaías 59:1-2


  • Precisamos desenvolver um hábito de oração;
  • Precisamos orar atendendo os requisitos bíblicos para a oração.


A Oração Que Funciona

Bendito seja Deus, que não rejeitou a minha oração, nem desviou de mim a sua misericórdia. Sl 66:20

O resultado da oração está, em muitos aspectos, além da compreensão humana. Porém, sabemos por experiência própria e pelos milhares e milhares de testemunhos que a oração funciona.


Um Testemunho de Oração que Funciona

Ressurreição na de Cidade de Hospet (Karnataka) – Índia.

O testemunho de Shetty Naik. Sua mulher era crente, membro de uma igreja local. Ele ia de vez em quando ao culto na igreja, mas não queria ser um discípulo de Jesus Cristo.

Em 2006 ele contraiu o tifo, foi tratado nos cuidados intensivos do hospital local. Os médicos deram o seu melhor, mas Shetty morreu. Após a constatação de morte, os médicos pediram à viúva e aos parentes presentes para levar o cadáver para a cremação segundo o costume indiano.

Os parentes presentes tinham organizado todos os preparativos para queimar o cadáver. Na localidade de origem fora erigida a pilha de lenha

A viúva foi ter com o pastor local Eliah Naik. Pediu óleo da unção e voltou ao hospital. Ali derramou o óleo sobre o corpo de seu marido morto e orou por ele..

Ali no hospital, aquele homem morto teve um ligeiro arrepio e começou a respirar muito fracamente. Ficou três dias num coma profundo. A mulher e os parentes oraram muito por ele. Três dias depois ele abriu os olhos e se levantou sobre os seus pés. Estava completamente curado do tifo!

O homem que reviveu foi à igreja, converteu-se a Cristo e foi batizado.

Para os médicos e para todos os parentes não crentes, aconteceu um milagre. Como resultado da sua ressurreição todos os seus parentes se converteram e muitos habitantes da sua cidade.

Fonte: ACS - Ação para os Cristãos Sofredores – Revista - 2/2007


Saiba que a oração funciona porque Jesus Cristo diz que funciona.

Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu a farei. Jo 14:14

Há muitas passagens bíblicas que trazem ensinamentos preciosos sobra a oração eficaz. Há vários princípios e recomendações importantes sobre a oração que prevalece. Mas, nesta breve mensagem desejamos enfatizar apenas três ensinamentos valorosos e fundamentais sobre a oração que funciona.

1- A oração funciona quando vivemos de acordo com a vontade de Deus.

Amados, se o nosso coração não nos condenar, temos confiança diante de Deus e recebemos dEle tudo o que pedirmos, porque obedecemos aos Seus mandamentos e fazemos o que Lhe agrada - 1Jo 3:21-22.

A súplica de um justo muito pode na sua atuação. Tg 5:16

2- A oração funciona quando oramos segundo a vontade de Deus

E esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. 1 Jo 5:14

Em lugar disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo. Tg 4:15

3- A oração funciona quando oramos com fé persistente

Por isso vos digo que tudo o que pedirdes em oração, crede que o recebereis, e tê-lo-eis. Mc 11:24

E tudo o que pedirdes na oração, crendo, recebereis. Mt 21:22

Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam. Hb 11:6

O Pastor David Wilkerson escreveu que por muito tempo orava e a resposta vinha a seguir. Era uma comunhão maravilhosa com Deus.

Todavia, houve um tempo que as respostas minguaram. O pastor orava e nada acontecia, Deus se mantinha em silêncio.

Cansado daquela situação vergonhosa, David Wilkerson um dia desabafou com Deus: Pai, o Senhor não está sendo justo comigo. Antes, eu orava e vinha resposta. Agora, eu oro, jejuo, derramo lágrimas na oração, falo em línguas espirituais - e o Senhor fica em silêncio. Eu já estou passando vergonha diante da Igreja há um bom tempo...

E foi nesse dia, que a voz do Espírito Santo falou ao coração de David Wilkerson: Filho, qualquer um que orar e receber imediatamente a resposta de sua oração, não vai precisar de fé. A sua fé cresce, enquanto espera com paciência pela resposta de sua oração.

É preciso persistir em fé como fez Elias, orando por sete vezes pela mesma causa.

Criando um Hábito de oração em 2018

1. Em todo tempo – 1 Ts 5:17

2. Em todo lugar – 1 Tm 2:8

Há um chamado à oração, um hábito de oração, em todo tempo e em todo lugar.


Ore Por Você

Você é responsável pela bênção de Deus sobre a sua vida.

O dever de orar pelos seus problemas, família, emprego, saúde, ministério é principalmente seu. O que Deus quer ouvir de você, outra pessoa não poderá dizer.

Não há nada de errado em pedir que alguém ore por você. Isto é importante e ajuda em nossa mútua cooperação e amor fraternal. Mas, quem deve bater na porta é quem precisa de ajuda.

Ore Pelo Próximo

Interceda com misericórdia em favor daqueles que estão atribulados. Busque o favor divino pelos carentes e necessitados. Suplique pela salvação das pessoas ao seu redor.

Ore Para Aprofundar Sua Comunhão com Deus

Em todo tempo, em todo lugar.



Por que ouvimos somente o que queremos ouvir?

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on December 11, 2017 at 6:20 AM Comments comments (1)


Por que Ouvimos Somente o Que Queremos Ouvir?

O Senhor Jesus repetiu em todas as cartas às igrejas no Apocalipse “quem tem ouvidos ouça o que o Espírito Santo diz”.


1-Ouvir no Sentido Bíblico

Ouvir, no sentido bíblico, é mais do que escutar. É mais do que perceber e entender sons e palavras.

Dar ouvidos é dar atenção e valorizar o que se ouve ao ponto de obedecer. Coração e mente acolhem com profunda devoção as palavras ouvidas, dando-lhes o devido respeito, valor e aplicação.

Dar ouvidos é escutar com atenção e devoção, crer, valorizar e colocar em prática.

Palavras ouvidas formam conceitos, padrões, crenças; influenciam e formam nosso caráter e estilo de vida.

Suas escolhas, decisões, projetos e sonhos estão fundamentados sobre o que você deu ouvidos ao longo dos anos.


2-Por que Só ouvimos-valorizamos aquilo que queremos ouvir...

Na verdade escutamos muitas vozes e sons diversos através dos ouvidos, mas se não valorizamos a palavra anunciada e não estivermos dispostos, interessados e motivados, com o coração aberto para receber, estaremos apenas escutando barulho.

A ilusão seduz, fascina...

Pequenas porções de ilusão...Mentiras sinceras me interessam cantava cazuza...


3-Por que queremos ouvir somente fábulas/ilusões/fantasias?

Porque a fantasia é um (falso) suprimento de satisfação.

1. Um suprimento de satisfação ilusória/enganosa para os desejos que não podem ser realizados. Sempre fantasiamos o que não temos e não somos, e gostaríamos de ter e ser.

2. Um suprimento de satisfação substituta, que omite a realidade, numa tentativa de ajudar a resolver a angústia interior e os demais conflitos da vida real.

A maioria refuta ouvir a verdade que incomoda, e abraça a mentira sedutora que deseja.

Quando alguém fala o que não lhe interessa, os ouvidos captam apenas alguns sons fracos e fragmentados, enquanto seus corações estão fechados e totalmente desligados daquele ambiente. Este comportamento deixa claro que essa pessoa não tem espaço interno para guardar o que não lhe interessa.


4-A Ilusão Escraviza

Há um trecho de uma música que diz assim: “Confortável ilusão, parece a liberdade e na verdade é uma prisão.” Gabriel – O Pensador

A ilusão funciona como um analgésico/anestésico, uma válvula de escape para que a pessoa consiga superar a realidade que a incomoda.Portém, a ilusão escraviza, prende o indivíduo na mentira.

A ilusão faz a pessoa sentir-se livre da realidade. MAS, o que parece ser liberdade é na verdade, uma prisão onde o indivíduo precisa ouvir doses maiores e mais fortes de fábulas/ilusões para continuar vivenciando fantasias, perdendo a chance de viver o real, onde há uma missão a ser cumprida.

Ouvir somente o que nos agrada...


1. Cria uma falsa realidade, faz-nos correr atrás do vento e por fim nos traz completa desilusão e ruína;

2. Alimenta o ego, mas cala a consciência, enfraquece o espírito e fortalece a carne.

3. Afasta-nos de Deus, desvia-nos de seu chamado.

4. Faz-nos escravos da ilusão, da mentira e do engano.

5. Acelera os seus passos em direção à apostasia.


E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará – João 8:32

Por que não damos ouvidos às Escrituras Sagradas?

Porque não estamos interessados em ouvir a verdade e nos submeter à vontade de Deus.

Queremos seguir os caminhos do coração e não o Caminho de Deus.

Queremos sim, que Deus atenda os nossos pedidos e desejos e que Ele nos livre de todos os problemas.


5-O que Fazer?

Temos que decidir o que realmente importa. Se você deseja abandonar a insensata prática de ouvir somente o deseja ouvir e criar o hábito de "ouvir o que é necessário ouvir”, tenho algo muito importante a lhe dizer.

1. A palavra de Deus confronta, exorta, repreende, corrige... Isso pode ser doloroso, mas

2. A palavra de Deus também conforta, cura, alimenta, fortalece, encoraja, liberta, salva e lhe prepara para a eternidade.

Se você quer ouvir o que precisa ouvir, saiba que ...


6-Para ouvir bem é preciso calar.

Sem o silêncio não podemos ouvir bem, as palavras ficam imperceptíveis, confusas ou perdem o sentido.

Quando silenciamos a percepção torna-se mais aguçada e consequentemente aumenta nossa capacidade de compreensão dos fatos e ideias. O silêncio ajuda no entendimento.

Diante da Palavra de Deus é preciso silêncio integral: silenciar a voz, a mente e o coração.

1. Silenciar para se aquietar, sossegar;

2. Silenciar para exercer domínio próprio;

3. Silenciar para ouvir melhor e aprender;

4. Silenciar para dar atenção;

5. Silenciar para respeitar;

6. Silenciar para melhor observar;

7. Silenciar para refletir e meditar;

8. Silenciar para aguardar, gerar expectativas;

9. Silenciar para ouvir uma palavra específica;

10. Silenciar para...


(LC 2:19) “Mas Maria guardava todas estas coisas, conferindo-as em seu coração”.

O Ouvir Atencioso do Crente

1. Quando ouvimos atentamente, prestamos atenção no significado da palavra de Deus e nas suas implicações em nossas vidas.

2. Quando ouvimos atentamente honramos aquele que fala, confessamos com o nosso silêncio atencioso o nosso respeito e interesse.


7- Ouça e Obedeça. Ponha a Palavra em Prática

Após ouvir a Palavra de Deus, você deve ...

I- Aceitar o que a palavra de Deus diz (Mc 4.20; At 2.41; 1Ts 2.13). Guardá-la no coração (Sl 119.11; Cl 3:16).

II- Obedecer ao que ela ordena (Sl 119.17,67; Tg 1.22-24); Viver de acordo com seus ditames (Sl 119.9).

III- Crer, confiar e colocar a esperança em suas promessas (Sl 119.42.74,81,114; 130.5). Fazer dela a sua alegria e prazer (Sl 119.16,47).


Pense nisso!

Orando Sempre

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on November 27, 2017 at 6:55 AM Comments comments (1)


A Prioridade da Oração


Jesus começou e terminou Sua vida terrestre numa atitude de oração.

Lc 5:15-16

“A sua fama, porém, se divulgava cada vez mais, e grandes multidões se ajuntavam para ouvi-lo e serem curadas das suas enfermidades. Mas ele se retirava para os desertos, e ali orava.”

Jesus tinha uma rotina de oração

A maioria dos cristãos só lembra que precisa orar quando as coisas não vão bem. Jesus, porém, era diferente. Muitas vezes Ele parava tudo o que estava fazendo e se retirava para orar.

"Tendo despedido a multidão, subiu sozinho a um monte para orar. Ao anoitecer, ele estava ali sozinho" (Mateus 14:23).

A oração era um HÁBITO na vida de Jesus porque Ele deu PRIORIDADE à oração, mesmo quando estava muito ocupado.

Jesus Cristo tinha tempo para orar porque Ele decidiu ter tempo para isso. Cada um de nós também terá tempo para orar quando cada um decidir ter tempo para isso.

Todos nós temos o mesmo tempo de Jesus. A pergunta a ser feita é qual a prioridade que a oração tem em nosso calendário diário?

Qual é a nossa prioridade diária? Trabalho, estudo, diversão?

• Jesus define suas prioridades na presença do Pai, porque deseja fazer a vontade do Pai;

• Jesus deseja comunhão com o Pai, ficar a sós num relacionamento profundo.

Creio que influenciado pela vida de oração de Jesus, um dos discípulos lhe disse: “Senhor, ensina-nos a orar, como João ensinou os discípulos dele” (Lc 11.1)


Dois Ensinos Preciosos na Oração

Há duas grandes revelações na oração: A impotência do homem e a onipotência de Deus.

1. Dizer que precisamos orar é outro modo de dizer que precisamos de Deus.

2. O poder da oração não está em quem ora, mais no Deus a Quem oramos.

O exemplo de Jesus nos desperta a fazer da oração uma prioridade em nossas vidas. Devemos orar sem cessar – 1 Ts 5:17. Pode haver férias de qualquer coisa, mas nunca de orar.

 

II – PARTE – A Oração Intercessória

Ez 22:30 E busquei dentre eles um homem que levantasse o muro, e se pusesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse; porém a ninguém achei.

• O pecado atrai a justa ira de Deus e o Seu Juízo.

• O pecado traz miséria e sofrimento a uma nação.

• A oração Intercessória pode mudar a história de um povo.

O que salva um povo do juízo, da miséria, da corrupção e do pecado? O que traz avivamento a uma nação?

O Testemunho da Coreia

Em 1960 a Coreia tinha somente 3% de cristãos e era o quarto país mais pobre do mundo. Cerca de 80% da nação era constituída de favelados. Tudo na Coreia estava destruído. Não havia trabalho e nem comida para as pessoas. A pobreza gerava revolta e a revolta produzia muita violência.

O pequeno grupo de 3% de cristãos começou a acordar às 4h30 da manhã para interceder pela nação. Eles não oravam por suas necessidades pessoais, mas clamavam por um avivamento na Coreia. O mover de oração tomou conta do país e as igrejas da Coreia começaram a abrir às 5:00 da manhã para reuniões de oração.

Anos e anos se passaram...

Hoje a Coreia do Sul é um dos países mais desenvolvidos do mundo, com tecnologia de ponta, com educação de melhor qualidade e onde tem as maiores igrejas no mundo.

1. De 1970 para cá O PIB triplicou e a renda per capita dos sul-coreanos subiu de US$ 254 para US$ 22 mil.

2. O analfabetismo foi reduzido a menos de 1%; Cerca de 86% dos jovens cursam o ensino superior.

3. Poucos países no mundo têm um sistema de saúde como o da Coreia. Ele é chamado de National Health Insurance (NHI) e nele o usuário tem um percentual de desconto conforme a idade e direito a um check-up gratuito completo, inclusive no melhor hospital coreano, a cada dois anos.

4. A Coreia do Sul hoje é o país com a sexta posição em segurança em todo o mundo.

5. A maior igreja do mundo fica na Coréia do Sul - Yoido Full Gospel - fundada em 1958. Hoje tem quase 1 milhão de membros.


MAS...

Na Coreia do Sul os cristãos continuam acordando às 4h30 todos os dias e todas as igrejas têm o culto da madrugada, de oração fervorosa por uma hora ou duas horas.

De 1960 para cá os sul-coreanos insistem na oração Intercessória pela nação. Nos 365 dias do ano, não há nenhuma igreja na Coreia do Sul que não faça oração da madrugada e todas realizam 7 cultos por semana.

Conclusão

O exemplo de Jesus nos desperta a fazer da oração uma prioridade em nossas vidas. Devemos orar sem cessar – 1 Ts 5:17

O exemplo dos cristãos sul-coreanos nos desperta a orar por nossa nação.

 Que a oração seja prioridade para nós cristãos brasileiros.

 Que a oração seja um hábito na vida dos cristãos brasileiros.

 Que tenhamos um exército de intercessores na brecha.

 Que Deus tenha misericórdia do Brasil!


Tolerancia

Posted by BenneDen on November 19, 2017 at 6:10 AM Comments comments (0)

A Tolerância Pós-Moderna

Nesta geração surgiu a filosofia comportamental da tolerância dizendo que devemos não somente aceitar aqueles que diferem de nós em pensamento e atos, mas aprovar suas ideias e práticas como legítimas, sejam elas quais forem.

A tolerância pós-moderna é “Disposição de aprovar, abraçar e adotar, modos de pensar, de agir e de sentir diferentes dos nossos”.

Os cristãos devem avaliar a “tolerância pós-moderna” como falsa, perigosa, ímpia e antibíblica.


1- A tolerância pós-moderna é falsa.

A tolerância pós-moderna é falsa porque é intolerante. Ela não admite nenhuma forma de opinião ou disposição em contrário, colocando uma mordaça nos que pensam diferente, impedindo a liberdade de expressão e a pluralidade de opinião, ou seja, a tolerância pós-moderna é totalmente intolerante. Por isso ela é falsa.

A tolerância pós-moderna é falsa porque mente, finge a busca de aceitação social da diversidade de pensamentos e comportamentos, quando na verdade quer impor sua cultura de modo que todos tenham que seguir, abraçar ou adotar tais ideias e estilos de vida.

2- A tolerância pós-moderna é perigosa.

É perigosa porque leva à acomodação da igreja diante do pecado e do mundo. Deus chama a igreja à viver em oposição ao pecado e ao mundo, e em devoção a Deus.

Falhando em viver em santidade a igreja não tem nenhum direito de chamar a si mesma de igreja de Cristo, e nenhuma autoridade de denunciar o pecado porque não será diferente do mundo.

Quem dentre vós me convence de pecado? Se digo a verdade, por que não me credes? Jo 8:46

Porquanto está escrito: Sereis santos, porque eu sou santo. 1 Pedro 1:16

3- A tolerância pós-moderna é ímpia e antibíblica.

A visão de tolerância pós-moderna é ímpia e antibíblica, pelo fato de rejeitar Deus e a Sua Palavra como padrão à vida humana, afirmando que devemos tolerar, aprovar e abraçar as ideias e práticas dos homens e não de Deus. O homem coloca-se como um juiz do certo e do errado.

A Palavra de Deus claramente proíbe o assassinato: "Não matarás" (Êxodo 20:13). Mas a sociedade, embora condenando o assassinato de um adulto, passa a tolerar o assassinato de bebês em gestação e, em muitos casos, o assassinato de uma pessoa em coma.

A Palavra de Deus claramente proíbe o adultério e todas as perversões sexuais, declarando que o sexo é permissível somente entre o marido e sua esposa: "Não adulterarás" (Êxodo 20:14; 1Coríntios 5:1-5 e Hebreus 13:4). Mas a tolerância pós-moderna permite o adultério e a sexualidade extraconjugal de todos os tipos, e clama por tolerância na questão do homossexualismo.

O homem dá uma nova versão as Escrituras, interpretando-a numa premissa errada, que um Deus que ama uma pessoa ignora ou tolera os pecados da mesma.

O homem pós-moderno considera-se independente para construir suas próprias ideias de moralidade. Tudo isso revela que o homem abandonou Deus e sua Palavra como o padrão de certo e errado. Os homens não querem que Deus lhes diga o que fazer! O homem quer ser o juiz do certo e do errado.


A Intolerância de Jesus Diante do Pecado

A bondade e a paciência de Jesus Cristo com os pecadores não significa tolerância para com o pecado.

E não vos associeis às obras infrutuosas das trevas, antes, porém, condenai-as; Ef 5:11


1. Jesus foi totalmente intolerante diante do falso ensino dos escribas e fariseus. Ele confrontou diretamente os falsos mestres com os repetitivos, "Ai de vós ... hipócritas, guias cegos." Mt 23:13; Lc 11:42

2. Jesus foi totalmente intolerante com a maldade dos homens. Ele frequentemente expôs a verdadeira natureza dos homens usando nomes de animais para descrevê-los figurativamente. Ele chamou os fariseus de "descendência de serpentes", Herodes "uma raposa", falsos mestres de "lobos", e pagãos não regenerados "cães".


Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno? (Mateus 23:33).

Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos... (João 8:44)

3. Jesus foi totalmente intolerante com a ganância e a corrupção dos cambistas no templo de Jerusalém. Ele foi enérgico ao fazer um chicote, expulsar os vendilhões e derrubar as suas mesas no lugar de adoração. (Mt 21:12)


A Tolerância de Jesus Diante do Pecador

A verdadeira Tolerância é "Disposição de admitir, nos outros, modos de pensar, de agir e de sentir diferentes dos nossos".

O modelo da verdadeira tolerância é encontrado em Jesus Cristo. Ele diz respeito ao amor de Jesus para com o pecador, sem compartilhar, no entanto, com os erros e transgressões dos homens.

Jesus Cristo, quando estava agonizando na cruz, não odiou seus algozes, mas orou:

“Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Jo 23.34).

Jesus perdoou a mulher apanhada em adultério.

Respondeu ela: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu te condeno; vai-te, e não peques mais. Jo 8:11


A tolerância verdadeira consiste em:

• Amar o pecador e lhe dar oportunidade de arrependimento.

No contexto bíblico, amor não é sinônimo de impunidade, assim como paciência não é o mesmo que relaxamento.

Amar o pecador e ser paciente com ele, dando-lhe oportunidade de arrependimento, não significa tolerar o pecado e nem excluir a disciplina. A oportunidade de arrependimento deve vir acompanhada de uma advertência energética contra o pecado, a fim de que o pecador possa reconhecer, sentir e confessar a sua culpa, desejando não mais praticar a transgressão.


O Cristão Pode Julgar?

Os militantes da tolerância pós-moderna dizem que não. Mas, as Escrituras Sagradas afirmam algo bem diferente.

É dever do cristão julgar de acordo com as Sagradas Escrituras.

• João 7:24 - Não julgueis segundo a aparência, e sim pela reta justiça.

• Lucas 12:57 - E por que não julgais também por vós mesmos o que é justo?

• 1 Coríntios 1:15 - Falo como a criteriosos; julgai vós mesmos o que digo.

• 1 Coríntios 5:12 - Pois, que me importa julgar os que estão de fora? Não julgais vós os que estão de dentro?

• 1 Tes 5:21 – Julgai todas as coisas, retende o que é bom.

• 1 João 4:1 - Não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.

O cristão não pode julgar em desacordo com as Escrituras.

1. Julgamento hipócrita – Mt 7:5; Rm 2:1

2. Julgamento superficial – Jo 7:24; 1 Tm 5:19

3. Julgamento difamatório – Tg 4:11


O Julgamento envolve dois fatores principais.

1. Primeiro, o cristão observa, depois avalia o que observou, considerando os aspectos ou implicações e, por último, chegando a uma conclusão, expressa uma opinião com respeito a se o que observou é bom ou ruim, certo ou errado.

2. O segundo fator principal envolvido no julgamento é o da sentença. Essa parte compete a Deus, o supremo Juiz de todos os homens. Se o juiz descobre que o acusado é culpado do crime, então ele o sentencia a um castigo apropriado. Se o juiz descobre que o acusado é inocente, então o deixa livre de castigo, dando-lhe a sentença de liberdade.

Ao dizer que o cristão deve julgar, temos em mente primariamente o primeiro sentido de julgar, ou seja, o de decidir o que é certo e o que é errado, o bem e o mal. Todo julgamento cristão deve envolver tal determinação. O segundo sentido pertence a Deus – Tg 4:12. Somente em poucos casos nosso dever de julgar envolverá também o pronunciamento de uma sentença disciplinar em nome do SENHOR. Mt 16:19; 1 Co 5:13


Conclusão

1- Julguemos então pela reta justiça! A Escritura é a única base para a nossa moralidade.

Julgar usando outro padrão que não a Palavra de Deus é errado. Usando a Palavra de Deus, devemos julgar o pecado como sendo pecado, sabendo que o nosso julgamento estará de acordo com o julgamento de Deus no Dia do Trono Branco, pois ele também usará sua Palavra como seu padrão de julgamento. Jo 12:48

2- Cuidado com aqueles que, ao contrário de Jesus:

 Não se opõem ao pecado;

 Aprovam o pecado;

 Sancionam o pecado;

 Abençoam o pecado.


Ensinar a tolerância ao pecado é ser conivente com o erro e se posicionar contra a justiça de Deus. O pecado pode até ser aceito por leis humanas e incentivado pelos governantes e dominadores deste mundo tenebroso, mas jamais será tolerado por Deus. O pecado é tão grave que leva o pecador à condenação eterna se não houver arrependimento. Isso explica o porquê da primeira expressão do evangelho: “Arrependei-vos” - (Marcos 1:15).


SEMPRE ALERTA!

 


O Espiritualizante

Posted by BenneDen on November 16, 2017 at 10:25 AM Comments comments (0)



Na Seara do Senhor há trigo e joio, o espiritual e o “espiritualizante”.


O crente espiritual é sensato e equilibrado. Seu interior está investido de santidade e o seu exterior está revestido de humildade. Alicerçado na Bíblia, ele sabe o momento de falar e de calar, de orar e de agir; no barco da vida ele discerne quando é preciso remar ou repreender os ventos, porque vive na direção do Altíssimo.


O indivíduo “espiritualizante” é uma coisa que parece, mas não é. Ele não diferencia o natural do espiritual, simplesmente espiritualiza tudo. Não importa se a situação exige simplesmente uma resposta humana, uma palavra ou ação, esse indivíduo transfere tudo para a dimensão espiritual.

O “espiritualizante” não perde oportunidade para mostrar a todos a sua "espiritualidade" superior, por isso está sempre pronto para ensinar, pregar, profetizar, admoestar, repreender e determinar em nome do SENHOR. Mesmo vazio do Espírito e sem domínio das Sagradas Escrituras, segue falando bobagens ornamentadas de chavões religiosos, querendo transparecer que vive em profunda intimidade com Deus.


Portanto...


SEMPRE ALERTA!



Vidas Sem Forma e Vazias

Posted by DENIS FROTA (BenneDen) on November 12, 2017 at 9:15 PM Comments comments (1)


Vidas sem Forma e Vazias

Texto: Gn.1.1-4


Introdução:

Em Gênesis 1, temos o relato da criação.


1- A Terra era sem forma e vazia - O planeta Terra era diferente do que é agora; Deus não criou a Terra com sua forma atual de continentes e monta¬nhas, nem com animais e pessoas já habitando nela. A Terra estava sem forma definida, vazia de pessoas, animais e plantas, coberta de plena escuridão.

“Olhei para a terra e ei-la sem forma e vazia; para os céus e não tinham luz”. Jeremias 4:23

Analogia

Diante de Deus o homem natural (sem Cristo) é comparado ao estado lastimoso da terra, ou seja, muitos seres humanos estão como a terra do segundo versículo, sem forma, vazios e cobertos de trevas.

O homem natural nasce, cresce, mas falta-lhe algo; ele ainda não tem a forma que deveria ter, não é a imagem e semelhança de Deus, mas sim a imagem e semelhança de Adão; também encontra-se espiritualmente vazio. Dentro do homem natural há um abismo espiritual sem fundo.


2 – Trevas -: O cenário é de trevas sobre a face do abismo.

Uma imensa escuridão; ausência total de luz. Não era possível ver detalhes do estado do planeta naquela ocasião por causa das trevas que cobriam tudo. Somente Deus.

Analogia

Trevas - desconhecimento ou ignorância espiritual que não permite o homem natural ver, entender ou compreender o seu estado atual, sua vida interior, espiritual.

Ausência total de luz, verdade e entendimento. O perigo da perdição eterna está encoberto pelas trevas da ignorância. (2 Co 4:4).


3 – O Espírito de Deus se movia sobre a face das águas...

A presença do Espírito de Deus sobre as águas tornava possível o enchimento de vida na Terra.

Analogia

Da mesma maneira que o Espírito de Deus pairava sobre a terra assolada para transformá-la, Ele também paira sobre o homem natural a fim de operar uma oportunidade de mudança por meio do poder gerador da Palavra de Deus.

Só o Espírito de Deus pode dar vida espiritual ao homem natural. Somente o Espírito Santo pode enchê-lo da vida de Deus.


4 - “Haja luz” – Deus falou. Palavra poderosa, criadora. A luz cósmica veio pela Palavra de Deus. Tudo clareou. Agora era possível ver tudo, todos os detalhes da Terra.


Analogia

Através da Palavra de Deus acontece o renovo, a mudança, a transformação no coração das pessoas. A palavra de Deus ilumina a consciência humana.

Um dos significados de “luz” na Bíblia é conhecimento, entendimento. Começamos a ver o que está errado e que precisa ser mudado.

Então Jesus tornou a falar-lhes, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue de modo algum andará em trevas, mas terá a luz da vida. (Jo 8:12)

Jesus é a luz do mundo. É por meio dele que podemos conhecer a Deus, ver a realidade espiritual, compreender o plano de Deus para nossas vidas.

A luz veio pela Palavra de Deus. Jesus é anunciado aos homens pelo o Evangelho, a Palavra de Deus.

"Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo" (2 Coríntios 4:6).

“Deus não criou a terra para ser um caos, mas para ser habitada”  -Isaías 45.18.

Lembre-se que o evangelista precisa estar vestido do Evangelho, caso contrário suas palavras serão contratestemunho.


Conclusão:

1) Independente do seu estado moral, da sua condição espiritual, existe um Deus Criador que coloca em ordem o universo da sua vida;

2) Permita que a Palavra de Deus em conjunto com o Espírito Santo transformem a sua vida.

3) Dia após dia, Deus fará uma transformação gradual e progressiva; colocará cada coisa no seu devido lugar, e o resultado será uma nova vida, com significado e cheia da presença de Deus.



Cinco Paes e Dois Peixinhos

Posted by BenneDen on November 7, 2017 at 11:30 AM Comments comments (1)

Cinco Pães e Dois Peixinhos - Texto Chave - João 6:5-11


Introdução

Queremos destacar a atitude de um jovem seguidor de Jesus, um jovem anônimo, diante de um grande desafio ao seu redor. O jovem seguidor de Jesus não exigiu algum reconhecimento por sua atitude de bondade. Porém, mesmo no anonimato, deixou seu belo exemplo registrado na historia do cristianismo, inspirando gerações e gerações.


O que você faria se tivesse diante de 5000 homens carentes de alimentação e sua provisão fosse apenas de cinco pães e dois peixinhos?

• Você percebe a multidão com seus problemas ao seu redor?

• Você percebe que a multidão precisa de alimento espiritual?

• O que você tem feito para solucionar ou minimizar esse problema?

• O que você tem feito com aquilo que você tem?

O cenário ao nosso redor faz parte de nossa história e diante dele há sempre algo a aprender e algo a fazer.



1- O Jovem Seguidor estava perto de Jesus (Seguidor/Comunhão)

O jovem seguidor estava perto de Jesus e escutou o que Jesus disse aos apóstolos.

Os seguidores de Jesus estão próximos Dele e os que estão próximos podem ouvir a voz suave do mestre.

Muitos não ouvem a voz do Senhor porque estão distantes de Deus, com seus ouvidos e corações voltados somente para interesses pessoais.


2- O Jovem Seguidor Percebeu, Compreendeu e se sensibilizou com os Fatos ao Seu Redor. (Percepção/Compreensão/Sensibilidade)

Viu, compreendeu e se comoveu com a situação.

O crente em Jesus Cristo deve ter a percepção, a compreensão e a sensibilidade/comoção de tudo que está acontecendo ao seu redor: a crise, os problemas, os desafios... porque “as pessoas e os acontecimentos ao nosso redor fazem parte de nossa história e diante deste cenário há sempre algo a aprender e algo a fazer”.


3- O Jovem Seguidor de Jesus pensou nos outros. (Amor)

Ele poderia muito bem pegar o seu lanchinho, assentar-se embaixo de uma árvore e saciar a sua fome, mas ele não foi egoísta, não pensou apenas em si mesmo.

Tudo o que temos provem de Deus e a Ele tudo pertence. Saiba que as pessoas e os acontecimentos ao nosso redor fazem parte de nossa história e diante deste cenário há sempre algo a aprender e algo a fazer”.

Pode ser que Deus tem colocado algo em suas mãos para ajudar outras pessoas, em momentos específicos, mas você não tem percebido isso e não tem repartido as bênçãos nas oportunidades que Deus tem lhe dado.

Jesus estava esperando os elementos do milagre.


4- O Jovem Seguidor de Jesus se apresentou (Prontidão de Servir/Atitude)

O rapaz apresentou-se disposto a colaborar com a solução daquele problema... Ele colocou tudo o que tinha nas mãos de Jesus para abençoar outras pessoas; ele confiou em Jesus...

É lógico que Jesus não precisa de nenhuma atitude nossa para realizar a sua vontade, mas pela sua infinita misericórdia Ele nos da à oportunidade de fazer parte dos seus grandes projetos e milagres.




Conclusão.

1) Aprendemos que é nossa responsabilidade perceber a multidão carente e necessitada ao nosso redor e termos a sensibilidade e compaixão de apresentarmos a Jesus a nossa colaboração e contribuição a fim de que sejamos participantes do milagre de Deus.


2) Aprendemos que aquilo que julgamos pouco ou pequeno, quando é entregue a Jesus, torna-se abundante e supre toda necessidade.

Quando colocamos a nossa vida e os nossos recursos à disposição do SENHOR, o pouco é tocado pelo poder do Altíssimo, daí grandes milagres e transformações acontecem pelo poder de Deus.


Jesus quer que tenhamos uma atitude semelhante diante dos desafios e problemas ao nosso redor porque as pessoas e os acontecimentos ao nosso redor fazem parte de nossa história e diante deste cenário há sempre algo a aprender e algo a fazer.



Rss_feed